Leo Clube da Trofa está a organizar um torneio de PES e FIFA 2014 para o dia 22 de fevereiro. “A totalidade das receitas” são para Inês Vilarinho, uma jovem de S. Romão do Coronado que sofre de um tumor raro.

“Joga por uma causa. As receitas revertem para a Inês Vilarinho, de 15 anos, que sofre de um tumor raro”. O convite é do Leo Clube da Trofa, que está a organizar um Torneio Solidário com o intuito de “ajudar” a jovem de S. Romão do Coronado.

O torneio realiza-se pelas 14 horas deste sábado, dia 22 de fevereiro, na sede do Leo Clube, junto à Escola Secundária Trofa.

No torneio vão ser disputados os videojogos PES e FIFA de 2014, sendo que, para participar, os inscritos têm que pagar “cinco euros”. Já se quiserem jogar os dois videojogos pagam dez euros. A pré-inscrição deve ser feita através de uma mensagem de texto para o número 912 237 014, onde devem estar indicados “nome, email, idade, jogo escolhido”.

O presidente do Leo, Daniel Lourenço, referiu que, como “instituição de utilidade pública”, o clube sentiu que seria “a sua função ajudar o meio que nos rodeia, neste caso a Trofa e os trofenses, e sabendo do caso da Inês, que tem um tumor muito raro e precisa de ajuda, disponibilizamo-nos para ajudar”. “Este torneio solidário é apenas a primeira das várias iniciativas que vamos levar a cabo para angariar fundos para ajudar a Inês”, acrescentou, afirmando que está a organizar “um jantar” com o Lions e que tem “ainda várias iniciativas que estão em estudo” e que serão “para ajudar” a jovem.

Daniel Lourenço está “satisfeito” com o desenrolar do evento, pois tem havido “muita adesão”, esperando ainda que “toda a gente se possa inscrever”, uma vez que “a totalidade das receitas irá para a Inês”.

Recorde-se que a jovem de 15 anos sofre de um carcinoma mioepitelial de partes moles da região lombar, sendo uma das três dezenas de casos no mundo. Inês Vilarinho tem cumprido tratamentos na clínica de Duderstadt, Alemanha, que aposta nas vacinas de células dendríticas. Este tratamento foi criado no princípio biológico em que a ideia passa por reprogramar o sistema imunitário dos doentes oncológicos para que as células saudáveis matem as doentes. O objetivo é retirar os monócitos do doente e fabricar, em laboratório, células dendríticas que, quando colocadas em contacto com a informação tumoral e, posteriormente, reinjetadas no corpo, alertam o sistema imunitário que, por sua vez, destrói o tumor. Os tratamentos são dispendiosos e a família já não tem meios financeiros para suportar as despesas.

Como ajudar a Inês?

Além de participar na atividade, podem fazer os donativos para o NIB 0038 0360 30014094771 15.

Para dar a conhecer a história da Inês, a mãe fez uma página no Facebook, que pode ser vista em www.facebook.com/ines.raiodeluz.

Noticia relacionada