A GNR anunciou ontem a detenção de sete indíviduos por suspeita da prática de 136 furtos (seis com recurso a arma de fogo e arma branca) em residências e automóveis nas localidades de Santo Tirso, Póvoa de Varzim, Vila Nova de Famalicão, Ribeirão, Fafe, Vila das Aves, Riba d'Ave e Trofa. Depois de terem sido presentes a tribunal, dois suspeitos ficaram em prisão preventiva e cinco sujeitos a apresentações periódicas no posto da GNR da respectiva área de residência.

Os suspeitos roubavam todo o material de valor que encontravam, nomeadamente ouro, dinheiro, plasmas, telémoveis, leitores de DVD e automóveis (quando as chaves se encontravam dentro das casas). "Este material era mais tarde vendido para os suspeitos conseguirem dinheiro para comprar droga", contou ao DN fonte policial.

A autoridades ainda estão a investigar, mas prevê-se que o valor do material roubado ascenda a milhares de euros. Os sete detidos (dois eram irmãos), com idades compreendidas entre os 22 e os 25 anos, já andavam nesta actividade há cerca de um ano, altura em que também começaram a ser investigados, depois de as autoridades receberem as primeiras denúncias.

O método dos assaltantes não era planeado. Eles escolhiam aleatoriamente as casas, tocavam à campainha e, se ninguém atendesse, arrombavam a porta.

Nesta operação estiveram envolvidos o Destacamento da GNR, o Núcleo de Investigação Criminal de Santo Tirso e o Pelotão de Intervenção Rápida da GNR de Matosinhos (que ficou responsável pela segurança dos detidos e por levá-los ao tribunal).

Líder de 16 anos

Segundo o que o DN apurou, estes sete indíviduos pertencem ao denominado "gang do China", cujo cabecilha foi detido há duas semanas pela GNR de Vila das Aves, no concelho de Santo Tirso. O líder, de 16 anos, cuja alcunha "China" dá o nome ao grupo, foi detido por suspeita de vários furtos em residências e estabelecimentos comerciais.

Antes da detenção, o "China" ia acompanhado por mais quatro elementos num veículo roubado e, quando as autoridades os mandaram parar, atropelaram um militar da GNR.

Depois de detido, o jovem confessou que foi o responsável por vários crimes, com recurso à violência com arma em alguns deles. Neste momento está em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Guimarães.

Idalina Casal / DN