Teresa Fernandes propõe-se para o seu quarto mandato à frente do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas (DFMS) do Porto. A trofense lidera a única lista a eleições, que decorrem a 10 de março.

A socialista explicou que a sua recandidatura ao DFMS do Porto surge num “projeto de estabilidade, de continuidade e de preparação dos próximos dois anos que são cruciais para o PS”, com as eleições europeias, no primeiro semestre de 2019, e as eleições legislativas, no final de 2019. Com “quase 12 mil militantes inscritas”, o Departamento Federativo das Mulheres Socialistas do Porto é “a maior estrutura distrital de mulheres do país”, o que deixa Teresa Fernandes “muito orgulhosa por a presidir”.
Sob o lema “Unidas para Renovar a Confiança”, a sua candidatura tem como “objetivo principal” que “cada vez mais mulheres participem ativamente na vida política” e que “os homens também percebam que as mulheres ocupam determinados lugares porque são realmente qualificadas, têm qualidades pessoais e profissionais e trabalham muito para merecerem esses lugares”. “O papel que nós fazemos no Departamento é o de incentivo para que as mulheres participem mais ativamente na política”, completou.
Outro dos “grandes objetivos do trabalho” desenvolvido pelo Departamento é a “defesa da Igualdade em todas as suas formas”, porque, “apesar de em algumas áreas terem havido desenvolvimentos consideráveis”, Teresa Fernandes considera que “ainda persistem barreiras significativas a resolver na luta para alcançar a igualdade de género”, desde o “acesso ao trabalho”, a “cargos de chefia e de decisão”, à “igualdade salarial e de género, à “não discriminação em função do género, orientação sexual ou de qualquer outra característica pessoal” e a “eliminação de qualquer tipo de violência”. A candidatura de Teresa Fernandes propõe-se a “apostar claramente numa política de proximidade com as mulheres e de abertura à sociedade civil, envolvendo associações, instituições, parceiros sociais e empresas, num espírito de parceria e de potencializar sinergias”.
Natural de S. Romão do Coronado, Teresa Fernandes é licenciada em Planeamento Regional e Urbano pela Universidade de Aveiro e mestre em Planeamento Urbano e Regional pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Entre 2009 e 2017 foi vereadora da Câmara Municipal da Trofa e, recentemente, integrou o gabinete da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas. Atualmente, a trofense é coordenadora do Gabinete de Apoio ao Imigrante da Câmara Municipal de Valongo e é bombeira voluntária na Trofa.

Terceiro mandato com “balanço positivo”

Na análise ao mandato que está prestes a terminar, Teresa Fernandes fez “um balanço positivo”, porque “muitas mulheres se envolveram e participaram ativamente na política”. O mandato ficou marcado pelas eleições autárquicas, que, para a socialista, foram “extremamente positivas para o distrito do Porto”, uma vez que o partido ganhou “câmaras que nunca tinham sido do PS”. A socialista ressalvou “o papel ativo que as mulheres tiveram nas campanhas autárquicas no distrito do Porto, o papel de duas mulheres que ganharam a Câmara de Matosinhos (Luísa Salgueiro) e a Câmara de Marco de Canaveses (Cristina Vieira) e também de muitas juntas de freguesia lideradas por mulheres”.
No entanto, a presidente do DFMS do Porto afirmou que “nem tudo correu” como pretendiam, uma vez que “não” ganharam “todas as câmaras, como é o caso da Câmara da Trofa”, sendo “um trabalho que se vai fazendo diariamente nos concelhos do distrito do Porto”.