Em contagem decrescente para o início da Super Especial, a Câmara Municipal ultima os preparativos e toma medidas para que nada falhe. A vereadora do desporto falou ao NT sobre a prova do próximo domingo.

 

A vereadora do Desporto da Câmara Municipal, Teresa Fernandes garante que a autarquia está a encetar todos os esforços para que tudo corra conforme o previsto: “algumas das infra-estruturas estão a ser montadas para que, no próximo domingo, nada falhe quando soar o aviso da partida para a Super Especial da Trofa”.

As condições meteorológicas que se fazem sentir na região agradam a Teresa Fernandes, que conta que o sol ajude a “atrair muito público”. “Esperamos por milhares de pessoas da região do Grande Porto e do Vale do Ave para visitar não só a exposição de motas e carros antigos, mas também para assistir às emoções da velocidade”, acrescentou.

A autarca acredita que “a realização desta prova no concelho reveste-se de uma grande importância pois sendo a Trofa, do ponto de vista histórico, uma terra de inúmeros pilotos, e onde a paixão pelo desporto automóvel não pára de crescer, cabe à Câmara Municipal fomentar este tipo de realizações e organizar eventos que atraiam público e que satisfaçam uma grande parte dos trofenses, que continuam a manifestar grande interesse por este tipo de iniciativas”.

Este ano, a Super Especial da Trofa não vai cingir-se apenas à prova de velocidade em circuito citadino. “A animação na cidade vai começar logo pela manhã, com uma exposição de motas e carros antigos”, explicou a vereadora.

Numa altura em que a dívida da Câmara Municipal atinge valores elevados, Teresa Fernandes explicou o que foi feito para “minimizar os gastos com a realização desta prova”. Foram estabelecidas “parcerias com empresas da região”, que vão colaborar nesta prova de forma gratuita. “A divulgação nos meios de comunicação social não tem qualquer custo para a autarquia, já que conseguimos que alguns órgãos de comunicação do concelho publicitassem a iniciativa de forma gratuita”, esclareceu. A Câmara Municipal conseguiu reduzir “imenso” os custos da prova, comparando com a edição do ano anterior, uma vez que por exemplo “a ponte pedonal, as vedações, os rails, a bancada e o som não terão qualquer custo para a Câmara, já que são fruto de parcerias entre a autarquia e várias empresas que patrocinam o evento. Os únicos custos com esta Super Especial são com as forças policiais e com a organização da Prova a cargo da DemoPorto”, concluiu.