Pedro-Silva-1 

Pedro Silva candidata-se pelo CDS a S. Martinho com construção de novo cemitério como prioridade

O Notícias da Trofa: O que leva a candidatar-se à Assembleia de Freguesia?

Pedro Silva (PS): Essencialmente por gostar de S. Martinho de Bougado e de todos os meus conterrâneos, por quem tenho muito respeito e admiração, mas também porque este convite partiu de Paulo Serra, histórico presidente do CDS-PP na Trofa.

NT: Quais são os projectos que vai apresentar para o mandato?

PS: Os poderes de uma Junta de Freguesia são sempre escassos e S. Martinho de Bougado não foge à regra. Dificilmente existirá um projecto de grande envergadura exclusivo da Junta de Freguesia para S. Martinho que não envolva a Câmara Municipal da Trofa, porque o orçamento da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado é muito limitativo, no entanto apesar deste estigma, no nosso dia-a-dia em S. Martinho de Bougado deparamo-nos com algumas necessidades e dificuldades que à Junta de Freguesia dizem respeito como por exemplo, no âmbito da acção social, urbanismo, das aldeias, da educação e do associativismo.

Faz parte do meu projecto a construção de mais parques infantis, vigiados e apoiados por pessoas com aptidões para tal, a oferta dos manuais escolares para todos os alunos até ao primeiro ciclo, oferta do cheque medicamento destinado não só aos idosos, mas também a todos os doentes que comprovem deles necessitar e que não reúnam condições financeiras para os poderem adquirir, criação de locais de lazer, limpeza dos rios que são um ex-libris da nossa terra, manter as ruas asseadas e limpas, construção de um novo cemitério de raíz junto à Igreja Nova da Trofa, apoiar todas as associações da freguesia, apoiar os atletas e praticantes de desporto de S. Martinho das mais diversas modalidades. Apoiar a cultura através da criação de um concurso literário com vista à promoção de novos escritores na freguesia, criação de um grupo de teatro e de um clube cinéfilo, que possam ser nossos embaixadores e uma referência ao nível do país, criação de um movimento pró construção das variantes, entre outros.

NT: Qual é o projecto prioritário caso seja eleito?

PS: Reconheço que urge tomar medidas no que respeita à construção de um novo cemitério, porque o que temos actualmente está no limite da sua capacidade.

O caos que representa atravessar de carro o centro de S. Martinho de Bougado preocupa-me seriamente e será motivo da minha melhor atenção, até porque tem custos enormes, quer para as pessoas nas suas deslocações, quer para as empresas que têm como sede dos seus impostos S. Martinho de Bougado e que entretanto começam a deslocalizar-se para concelhos limítrofes como Famalicão, Maia e Santo Tirso, o que não promove a empregabilidade em S. Martinho de Bougado.

NT: Porque é que os eleitores devem votar em si?

PS: Principalmente porque tenho um passado ganhador. Sou licenciado em Economia e sou um empresário digno, que paga os seus impostos, um trabalhador incansável e para quem me conhece sabe que quando abraço uma causa é para lutar até atingir o objectivo. Julgo ser um digno merecedor do respeito dos meus conterrâneos.

NT: Considera mais fácil governar sendo a Câmara e a Junta do mesmo partido político? Porquê?

PS: Obviamente que sim, mas o facto de ser do mesmo partido não significa que haja bom entendimento. Muitas vezes existe maior empatia entre dirigentes de partidos diferentes que até do próprio partido, porque as lutas travadas dentro dos partidos na disputa da liderança por vezes abrem sulcos difíceis de curar. Para a Junta de Freguesia não se vota nos partidos, vota-se nas pessoas, avaliando o seu real valor, a sua capacidade de liderança e a consistência do projecto que apresentam. Por isso sou candidato de todos os meus conterrâneos, independentemente de partidos, de credos, raça ou cor.