quant
Fique ligado

Edição 681

Susana Cruz com três recordes nacionais no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático

Publicado

em

Susana Cruz alcançou três recordes nacionais – um individual e dois coletivos – no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático, que se realizou em Adelaide, Austrália, de 21 a 25 de novembro. A jovem trofense integrou a seleção nacional, que segundo a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores contribuiu para o “crescimento” da modalidade no país. 

A trofense Susana Cruz fez parte da seleção nacional que participou no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático. A jovem integrou a comitiva que competiu em Adelaide, na Austrália, contribuindo para que a participação portuguesa atingisse os objetivos traçados antes da prova pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores.

Esta competição consiste em desafiar os atletas a cumprirem desafios que combinam a natação com o uso de técnicas de salvamentos, como por exemplo nadar uma determinada distância e rebocar o náufrago ou fazer corridas de pranchas de salvamento.

No setor da piscina, foram alcançados seis pontos coletivos e nove recordes nacionais, dos quais três contam com a assinatura de Susana Cruz: um individualmente, nos cem metros Manikin Carry with Fins (1:22,15 minutos) e dois coletivos, na estafeta feminina nos 4x50m Obstacle Relay (2:25,23) e na estafeta feminina 4x25m Manikin Relay (2:07,26).

Em declarações ao NT, Susana Cruz afirmou que “não estava à espera” de atingir recordes nacionais, apesar de ter treinado com “esse objetivo”. A jovem não esconde que os momentos mais marcantes da participação coincidem com a obtenção dos “recordes nacionais”, dos “pontos alcançados pela equipa” e o cumprimento dos “objetivos que foram propostos”.
A trofense esteve ainda envolvida na nova marca nacional obtida na estafeta feminina de 4x50m Medley Relay, “prova que nunca se realizou em Portugal, devido a falta de infraestruturas adequadas para a mesma”, explicou a Federação. Assim a estafeta feminina obteve 2:14,16 minutos. A estafeta masculina também atingiu nova marca, com 1:57,85 minutos.
Na prova feminina do Rescue Tube Rescue, realizada no quarto dia do Campeonato, a equipa feminina nacional – onde figurava Susana Cruz, foi “inesperadamente” desclassificada, falhando a final.
Destaque ainda para a única prova técnica do campeonato (Simulação de Resposta de Emergência), na qual a seleção alcançou um simpático 21.º lugar entre 44 equipas, naquela que foi a primeira participação nacional de sempre nesta prova.
Esta foi a “maior comitiva de sempre” de Portugal neste campeonato e que segundo a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores “permitirá um enorme crescimento da modalidade” no país.
“De salientar o enorme esforço dos atletas portugueses, perante o elevado nível da competição, principalmente das seleções da Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, Itália, França, Alemanha e Espanha, que claramente são uma referência. Também um destaque para a candidatura do Salvamento Aquático Desportivo a desporto olímpico, que permitirá um apoio de base ao seu desenvolvimento, muito mais condigno com o objetivo desta modalidade: salvar vidas”, fez saber ainda a Federação, no balanço final da participação lusa no campeonato.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 681

O speaker de que se fala

Publicado

em

Por

Emanuel Gomes é apaixonado pela “comunicação motivacional” e, num curto espaço de tempo, ganhou espaço na apresentação de diversas provas desportivas, com maior evidência no BTT. A “fama” foi alcançada na edição de estreia do Raid BTT da Trofa e, atualmente, é raro não o ver apresentar provas na região, nessa modalidade, mas também no atletismo e trail.
Natural de Alvarelhos, este licenciado em Português e História e mestre em Ciências da Comunicação sempre esteve ligado ao desporto e, a par da prática, é fascinado pela vertente logística das provas. Em entrevista ao NT, explicou como notou a falta de “uma voz que explicasse, sobretudo aos visitantes, os costumes, as tradições, a história e a gastronomia” dos locais onde decorriam as competições. Assumiu esse papel e este ano quase não conseguiu arranjar agenda para trocar o microfone pelo dorsal. Ainda assim, reservou “seis datas” para cumprir o Campeontato Nacional de Trail e forrar esses dorsais às já preenchidas paredes de uma das divisões de casa.

Leia a entrevista completa na edição 681 d’O Notícias da Trofa, já nas bancas.

Continuar a ler...

Edição 681

Trofa tem campeão de danças de salão

Publicado

em

Por

Começou a dançar em janeiro e não tinha objetivos competitivos ambiciosos este ano, mas a verdade é que em menos de um ano conseguiu subir ao lugar mais alto do pódio. Dinis Rocha é da Trofa e já conta com dois títulos nacionais de danças de salão, com o par Maria Cabral. 

A representar a escola Apolo, de Vila Nova de Famalicão, Dinis e Maria iniciaram a competição em janeiro, tendo arrecadado o título de campeões nacionais em Juvenis Standard e Juvenis Latinas, no início de novembro, no concelho de Vila Nova de Famalicão, tendo confirmado o favoritismo no fim de semana passado, com a conquista da Taça de Portugal nas mesmas categorias, no Entroncamento. A nível regional, alcançaram também o 1.º lugar de Latinas, em Tui, Espanha.

“É fora do comum conseguirem ser campeões nas duas categorias, pois muitos pares especializam-se só num estilo, mas é muito difícil serem os melhores nos dois estilos”, evidenciou o Dário Rocha, pai do pequeno Dinis, que tem agora nove anos.

A vitória, acrescentou, “foi um momento feliz para eles, mas o resultado de muito trabalho e dedicação” em conjunto com a professora, Bárbara Ribeiro, conhecida pela participação no programa de televisão Dança com as Estrelas, pelos resultados competitivos vistosos a nível nacional e internacional. Ela foi uma das principais razões que fizeram Dinis escolher a escola Apolo.

Para completar a fórmula para o sucesso, junta-se o bom relacionamento entre os bailarinos. “Tão pequeninos, mas tão trabalhadores, focados e dedicados. Nunca discutem, nunca se chateiam, sempre em sintonia um com outro e quando algo corre mal, apoiam-se sempre um ao outro”, contou o pai do jovem trofense.
O par treina, em média, três vezes por semana e os campeonatos são quase todos no sul do país, o que obriga “a deslocações longas constantes”. “Mas quem corre por gosto não cansa”, garante Dário Rocha.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também