Susana Cruz alcançou três recordes nacionais – um individual e dois coletivos – no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático, que se realizou em Adelaide, Austrália, de 21 a 25 de novembro. A jovem trofense integrou a seleção nacional, que segundo a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores contribuiu para o “crescimento” da modalidade no país.

A trofense Susana Cruz fez parte da seleção nacional que participou no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático. A jovem integrou a comitiva que competiu em Adelaide, na Austrália, contribuindo para que a participação portuguesa atingisse os objetivos traçados antes da prova pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores.

Esta competição consiste em desafiar os atletas a cumprirem desafios que combinam a natação com o uso de técnicas de salvamentos, como por exemplo nadar uma determinada distância e rebocar o náufrago ou fazer corridas de pranchas de salvamento.

No setor da piscina, foram alcançados seis pontos coletivos e nove recordes nacionais, dos quais três contam com a assinatura de Susana Cruz: um individualmente, nos cem metros Manikin Carry with Fins (1:22,15 minutos) e dois coletivos, na estafeta feminina nos 4x50m Obstacle Relay (2:25,23) e na estafeta feminina 4x25m Manikin Relay (2:07,26).

Em declarações ao NT, Susana Cruz afirmou que “não estava à espera” de atingir recordes nacionais, apesar de ter treinado com “esse objetivo”. A jovem não esconde que os momentos mais marcantes da participação coincidem com a obtenção dos “recordes nacionais”, dos “pontos alcançados pela equipa” e o cumprimento dos “objetivos que foram propostos”.
A trofense esteve ainda envolvida na nova marca nacional obtida na estafeta feminina de 4x50m Medley Relay, “prova que nunca se realizou em Portugal, devido a falta de infraestruturas adequadas para a mesma”, explicou a Federação. Assim a estafeta feminina obteve 2:14,16 minutos. A estafeta masculina também atingiu nova marca, com 1:57,85 minutos.
Na prova feminina do Rescue Tube Rescue, realizada no quarto dia do Campeonato, a equipa feminina nacional – onde figurava Susana Cruz, foi “inesperadamente” desclassificada, falhando a final.
Destaque ainda para a única prova técnica do campeonato (Simulação de Resposta de Emergência), na qual a seleção alcançou um simpático 21.º lugar entre 44 equipas, naquela que foi a primeira participação nacional de sempre nesta prova.
Esta foi a “maior comitiva de sempre” de Portugal neste campeonato e que segundo a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores “permitirá um enorme crescimento da modalidade” no país.
“De salientar o enorme esforço dos atletas portugueses, perante o elevado nível da competição, principalmente das seleções da Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, Itália, França, Alemanha e Espanha, que claramente são uma referência. Também um destaque para a candidatura do Salvamento Aquático Desportivo a desporto olímpico, que permitirá um apoio de base ao seu desenvolvimento, muito mais condigno com o objetivo desta modalidade: salvar vidas”, fez saber ainda a Federação, no balanço final da participação lusa no campeonato.