Sofia Matos, deputada à Assembleia da República pelo PSD, anunciou a candidatura à liderança da Juventude Social Democrata, durante o Conselho Nacional desta estrutura, que decorreu na Guarda, a 1 de fevereiro. A trofense de 29 anos, até há dias secretária-geral da comissão política nacional desta estrutura e ainda presidente da distrital do Porto da JSD, pretende suceder a Margarida Balseiro Lopes, que, ao atingir os 30 anos, não se pode recandidatar.

Sofia Matos não concorrerá sozinha, já que o também deputado Alexandre Poço decidiu avançar com uma candidatura. Os dois estiveram em frentes opostas nas eleições diretas do PSD, com a trofense a apoiar Rui Rio – tendo sido mandatária pela juventude – enquanto Alexandre Poço decidiu estar do lado de Miguel Pinto Luz e, na segunda volta, de Luís Montenegro.

“A coesão territorial, os salários e a participação política dos jovens” são, segundo a social-democrata, os “pilares em que assentam” a sua candidatura.

“O socialismo acredita que o Estado deve controlar o poder dos cidadãos. Eu acredito que os cidadão devem controlar o poder do Estado. A democracia não é, nem pode ser, depositar as nossas vidas e o nosso futuro nas mãos de elites políticas. A democracia é com todos”, sublinhou.

Sofia Matos sublinhou ainda que “os horários laborais, conjugados com a crise na habitação e rendimentos muito, muito abaixo da média de outros países da União Europeia, estão a retirar a liberdade a toda uma geração”.
“A sociedade que empurra os jovens para um dia a dia em que o que mais lhes falta é a liberdade, é a mesma que lhes critica a falta de participação eleitoral e política”, acrescentou.

Sofia Matos, licenciada em Direito, é membro da Assembleia Municipal da Trofa, tendo também liderado a estrutura concelhia da JSD.
A trofense decidiu, “por razões de transparência e salvaguarda do processo eleitoral”, pedir a suspensão das funções de secretária-geral da comissão política nacional da JSD.

O congresso que vai eleger os novos órgãos nacionais da JSD realiza-se em abril.