Os sócios do Atlético Clube Bougadense decidiram na sexta-feira, em reunião ordinária não aprovar o relatório e contas relativo à época 2013/2014. Sócios aprovaram dar um mês à direção e conselho fiscal para apresentar novo documento.

 

O presidente em exercício da Mesa da Assembleia, António Vilaça, pediu ao Conselho Fiscal, através do seu presidente Paulo Renato Reis, que desse a conhecer a informação que lhe foi facultada pela direção desde junho de 2013 até junho de 2014, a fim de ser possível aprovar o relatório e contas e marcar a Assembleia Eleitoral.

Paulo Renato Reis deu a conhecer aos associados presentes na Assembleia que “tinha apenas recebido informação que respeitava “ao período de gestão do Sr. Adalberto Maia, enquanto presidente da direção ou seja entre junho e dezembro de 2013”. No entanto e sendo o relatório e contas até junho de 2014, com o objetivo de dar a conhecer a realidade financeira do Clube, o presidente do Conselho Fiscal adiantou “ainda não estar na posse de todos os elementos”, nomeadamente “dados relativos à gestão dos meses de janeiro, fevereiro e parte de março pelo que sugiriu à mesa que se defina um novo prazo para apresentação do relatório”.

Apesar disso, Paulo Renato Reis adiantou que “pelo conhecimento das contas do clube, ainda que de maneira genérica e não à data a que se realiza esta assembleia, assegura que não é um clube ingovernável e que estamos, penso que todos disponíveis para continuar a trabalhar para o Atlético Clube Bougadense, que é uma das maiores instituições associativas do concelho da Trofa”, adiantou.

O presidente da mesa em exercício, António Vilaça, deu a palavra ao sócio Agostinho Moreira, que é Técnico Oficial de Contas, que “tudo está em ordem bastando apenas um período de poucos dias para se ter acesso a todos os documentos que estejam ainda na posse do Sr. Adalberto Maia,quer dos atuais membros da direção”.

António Vilaça propôs aos sócios que se desse prazo de um mês à direção para se apresentar novo relatório e contas que, a ser aprovado, poderá levar à eleição de nova direção. Pediu ainda ao técnico Oficial de Contas que “solicitasse ao Sr Adalberto Maia todos os documentos que possam estar em falta, assim como ao Sr. Hilário Duque para se resolver a situação”. Esta proposta foi aprovada pela unanimidade dos sócios presentes, cujo “número aumentou face às ultimas assembleias”, adiantou António Vilaça.