Orquestra Sinfónica da Trofa foi apresentada no domingo, na presença de centenas de pessoas. Luís Lima, presidente da associação, pediu apoios para a construção de uma sede.

No dia a seguir ao Natal, a Associação Musical e Cultural da Trofa garantia um espectáculo que iria marcar o início de um “projecto histórico” para o concelho. Cerca das 17 horas, muitos eram os que à porta do Salão dos Bombeiros Voluntários da Trofa, em S. Martinho de Bougado, se juntavam para poderem assistir ao primeiro concerto da Orquestra Sinfónica da Trofa.

Cordas, sopro e percussão a postos, o grupo começou a tocar muitas das sinfonias que se eternizaram como ‘New York, New York’, mas nesta época não podia faltar um ‘Medley de Natal’.

Os 60 jovens que compõem a Orquestra Sinfónica – cerca de 20 por cento são da Trofa – todos músicos profissionais, surpreenderam os presentes com uma actuação apoteótica, que mereceu muitos elogios e aplausos sem fim.

Entre os abraços e as congratulações, o também jovem maestro, confessou ao NT/TrofaTv que “não estava a contar” com esta reacção do público, por ser a primeira actuação. Quando questionado sobre o futuro da Orquestra, Luís Campos foi peremptório: “O futuro vai ser muito brilhante”.

“Desde pequeno que venho reunindo pequenos grupos, desde orquestras de sopros e bandas e a Banda de Música da Trofa já tinha em mente formar uma Orquestra Clássica. Claro que esse programa não ia atrair o público como aconteceu hoje e por isso é que optamos pela Orquestra Sinfónica, para captar mais público”, adiantou.

Luís Campos iniciou a sua carreira musical aos oito anos e toca trombone na Banda de Música da Trofa há uma década. Do seu percurso constam trabalhos com vários maestros e artistas consagrados internacionalmente. Já dirigiu várias orquestras e bandas e neste momento ocupa o cargo de Director artístico da Orquestra Sinfónica da Trofa e da Art & Music Band.

Neste concerto foram ainda apresentados os padrinhos da orquestra: Rui Soares da Costa, Manuela Terra e Teresa Antunes.

 

Um projecto que passou do sonho à realidade”

 

Este é um projecto da Associação Musical e Cultural da Trofa que “passou do sonho à realidade”. Luís Lima, presidente da colectividade frisou que este “projecto histórico” para o concelho foi “uma prenda de Natal para os trofenses”.

À margem do concerto, Luís Lima mostrou-se “satisfeito” por ter “cerca de 500 pessoas” a assistir à apresentação da Orquestra Sinfónica da Trofa.

O projecto, que começou “há um ano e meio” com a ajuda da anterior Câmara Municipal da Trofa, necessita agora da ajuda deste executivo e de todos os trofenses: “Como presidente da Associação Musical e Cultural da Trofa estou um pouco apreensivo em relação ao futuro, porque nós não temos sede”.

“Estamos numa casa que é do Senhor Comendador J. Serra, que nos deixa lá estar e aqui presto a minha homenagem e o meu agradecimento por nos deixar usar o espaço gratuitamente, mas a Câmara Municipal vai construir os Paços do Concelho precisamente onde está instalada a sede, que vai abaixo no próximo ano. Estamos sujeitos a vir para a rua”, lamentou Luís Lima. Por isso, no final do concerto, não deixou também de fazer um apelo e um pedido de apoio para a Associação Musical e Cultural da Trofa, da qual faz parte a nova Orquestra e a Banda de Música. “Quero que se façam os Paços do Concelho, mas temos que resolver o problema da Banda, desta Orquestra e das escolinhas de música”, acrescentou.