Ordeiramente e cumprindo os trajectos a seguir em caso de emergência, todos os alunos se dirigiram para o campo de jogos exterior da escola. Este foi o resultado do simulacro realizado na Escola EB 2, 3 Professor Napoleão Sousa Marques, esta quarta-feira.

  No sentido de preparar e desenvolver procedimentos de planeamento, coordenação e conduta dos alunos professores e funcionários, em caso de emergência, a escola EB 2, 3 Professor Napoleão Sousa Marques, realizou um simulacro de incêndio na manhã de quarta-feira.

O toque contínuo e permanente da campainha da escola é o aviso em caso de incêndio, fuga de gás ou um sismo, que alerta a toda a população escolar para se deslocar para o ponto de reunião, o campo de jogos exterior.

Para Mónica Freitas, coordenadora do Clube de Protecção Civil da escola, "este simulacro teve incidência sobre um possível incêndio, e não envolveu nenhuma entidade externa, estão todos devidamente informados mas não havia necessidade de terem uma intervenção directa, passou muito pelo procedimento de como sair, o que fazer, os cuidados a ter e com o que não se deve preocupar naquela hora".

O estabelecimento de ensino pretende ainda levar a cabos mais iniciativas do género "em que já haverá colaboração de entidades externas, nomeadamente os Bombeiros, da delegação da Protecção Civil, e a policia", sendo que este será sem aviso prévio.

Com escassez de formação mais especializada na área da segurança escolar a coordenadora e os restantes professores a participar neste Clube de Protecção Civil servem-se da "prática, da pesquisa, do trabalho", e prometem, futuramente, "a participação em acções de formação, para pessoal docente e não docente da escola".