O padre Manuel Domingues vai dirigir a paróquia de S. Romão do Coronado. Apesar de assumir a dificuldade de ter à sua responsabilidade três paróquias, o pároco sublinhou que “tudo é possível, é só uma questão de se programar o trabalho e quando há pessoas dispostas a ajudar, uma grande percentagem dos obstáculos desaparecem”.

   Apesar de alguma limitações relativas a questões de saúde que o tem afectado, o pároco Manuel aceitou dirigir a paróquia de S. Romão do Coronado, a terceira que tem em mãos, já que já estava encarregue das paróquias de S. Mamede do Coronado e do Muro.

Em declarações ao NT, o pároco que já está na Trofa há cerca de 20 anos, referiu que não conseguiu ser insensível ao discurso do bispo da diocese do Porto e aceitou o desafio de dirigir a paróquia de S. Romão: “gostei imenso do diálogo que tive com o Bispo, ele foi muito atencioso e acolhedor. Não me impôs nada e a minha resposta foi que iria fazer o melhor para servir a nova paróquia”.

Manuel Domingues referiu que o facto de ter de gerir três paróquias advém da “falta de vocações na igreja”, que neste momento “vive uma situação precária, mas globalmente e não só aqui”, relembrando que na diocese portuense não houve ordenações de sacerdotes este ano e apelando “não só para os padres, mas a todos os cristãos que consigam encontrar uma solução para este problema”.

O padre entendeu alguma contestação da população romanense quanto a esta opção do Bispo, já que “É normal e compreensível que a comunidade exija a permanência de um pároco a tempo inteiro, mas eu estou preparado para este tipo de situação e até considero que a maioria das pessoas de S. Romão entenderam esta opção”

Apesar de não esconder a dificuldade de ter à sua responsabilidade três paróquias, o pároco sublinhou que “tudo é possível, é só uma questão de se programar o trabalho e quando há pessoas dispostas a ajudar, como os colaboradores dos respectivos movimentos, que trabalham em sintonia com o pároco, uma grande percentagem dos obstáculos desaparecem”.

Com uma agenda semanal preenchida, o padre delineou as celebrações na paróquia do Muro, à segunda e terça-feira ao fim da tarde, na paróquia de S. Mamede à quarta e sexta-feira ao fim da tarde e em S. Romão terça e quinta-feira na parte da manhã. Aos sábados as missas são celebradas as 17 horas no Muro, às 18h30 em S. Mamede e às 19h45 em S. Romão, e aos domingos 8 horas em S. Mamede, 9h15 no Muro e 10h30 na Capela S. Bartolomeu, em S. Romão.

O Padre Manuel está ainda disponível a todos os paroquianos às tardes de terça-feira no Muro, quarta-feira em S. Mamede e quinta-feira em S. Romão.

Relativamente às catequeses, nas três paróquias decorrem normalmente do 1º até ao 10º ano, com catequistas para todos os anos e em S. Romão os catequizandos celebram a tradicional “Festa da Vida”, ingressam nos escuteiros e, posteriormente recebem o crisma.

Quanto aos costumes de S. Romão, como por exemplo a celebração da comunhão no mês de Maio, “não vão ser quebradas”, assegurou o pároco que teve o cuidado de se informar junto dos habitantes da freguesia.

Ordenado em 1969, Manuel Domingues teve um percurso grande a nível educacional, tendo estudado em vários seminários do Porto e tendo feito estágio no mesmo concelho, na paróquia de Aldoar .

A 26 de Outubro de 1969 fui nomeado co-adjutor do pároco do Bonfim, no Porto, tendo sido incumbido de dirigir a paróquia de Santiago de Canelas e S. Martinho de Espião, onde permaneceu quase 10 anos. Desde aí vive na Trofa onde foi nomeado para pároco de S. Mamede e Muro, tendo passado também pela freguesia de Alvarelhos.

Aproveitando a época festiva, Manuel Domingues deixou uma mensagem, saudando “todas as pessoas deste concelho, ao qual estou ligado e de um modo particular à comunidade de S. Romão, Muro e S. Mamede, desejando um óptimo Natal e um ano muito próspero”, concluiu.