Sextas Com Vida foi o nome dado à iniciativa de alguns lojistas do centro da cidade da Trofa, que dinamizou as ruas de comércio. Ideia é repetir experiência todos os meses.

 

Há muito sedentas de atividade, as principais artérias do comércio tradicional da Trofa transformaram-se na noite de 27 de junho. As montras vivas que mostravam o que as lojas comercializam e o som estridente da Fanfarra de Alvarelhos deram vida às Ruas Conde S. Bento, Camilo Castelo Branco e Dr. Adriano Fernandes Azevedo, assim como ao Centro Comercial da Vinha, Galerias Catulo e Praceta S. Bento.

A ideia partiu de um conjunto de lojistas que, segundo Sílvia Rodrigues, da loja Flash Gift, “se juntaram” para “dinamizar o comércio local”. Com a “ajuda” da autarquia, que “disponibilizou o equipamento sonoro, a iluminação” e “encerrou a Rua Conde S. Bento”, foi possível aos comerciantes darem uma nova vida ao centro da cidade da Trofa.

Hugo Guerra, gerente da ervanária Mística Padre Cruz, ficou “surpreendido” com a “quantidade de pessoas” que aderiram ao evento. “O objetivo é mesmo esse, atrair pessoas ao comércio local. Não faz sentido que façam quilómetros para o Porto, Viana ou Barcelos quando aqui temos bom comércio”, complementou.

Face à adesão da primeira experiência, os comerciantes já só pensam em torná-la regular. Sílvia Rodrigues anunciou que a pretensão é promover a atividade “na última sexta-feira de cada mês”, em que as lojas estarão abertas até às 23 horas. “Está a ser positivo. As pessoas estão a sair à rua”, acrescentou.

Apesar de fazerem um balanço positivo, os lojistas do Centro Comercial da Vinha e Praceta S. Bento reclamam mais atenção por parte da organização na próxima iniciativa.

Susana Guerra, da ervanária Mística Padre Cruz, anotou a “falha” de não colocarem “uma coluna de som” no interior do Centro, como “foi prometido”. “Os próprios clientes notaram o facto de aqui (Centro Comercial da Vinha) não ter música”, afirmou.

Carla Caetano, gerente da sexshop Xegamais, espera que “para a próxima, o Centro Comercial da Vinha não seja esquecido pela Câmara Municipal”.

Fechada ao trânsito, a Rua Conde S. Bento foi o local onde as pessoas mais se concentraram para usufruírem de uma noite diferente. Por todas as ruas envolvidas, grande parte das lojas estiveram abertas até às 23 horas, tentando atrair clientes.