Juntamente com a autarquia de Santo Tirso, o executivo municipal da Trofa assinou o terceiro aditamento ao contrato de concessão para o abastecimento de água com a Indaqua, que permitiu a baixa da tarifa até ao fim do ano. Para 2015 e 2016 o preço volta a subir, mas numa proporção menor do que estava prevista. 

 

“Aconteceu o que muitos diziam ser impossível”. Foi desta forma que Sérgio Humberto se referiu à descida do tarifário da água, consumado com a assinatura da terceira alteração ao contrato de concessão para o abastecimento de água, celebrado com a Indaqua, em 1998, quando ainda a Trofa estava anexada a Santo Tirso.

A partir deste mês, os trofenses vão pagar menos cerca de 0,48 por cento na fatura da água, uma redução consequente da aprovação de 27 por cento da candidatura ao POVT (Programa Operacional de Valorização do Território) concedida pelo Governo, com fundos comunitários na ordem dos três milhões de euros para obras que “já estão executadas” ou “numa fase final”, como as de S. Romão e S. Mamede do Coronado. Com esta aprovação, a Indaqua conseguiu recuperar o valor de capitais próprios investidos nessas intervenções.

O abaixamento da tarifa só se vai sentir até dezembro, já que em 2015 a água volta a subir, mas numa proporção menor do que a prevista. Segundo Sérgio Humberto, em vez de “5,7 por cento”, a fatura sairá mais cara “3,5 por cento”. Em 2016 haverá novo aumento na mesma percentagem e em 2017 não deverá haver variação de preço.

Tanto Sérgio Humberto como Joaquim Couto, autarca tirsense, assinalaram o facto de a descida de tarifário para o segundo semestre deste ano se refletir na ordem dos “seis por cento”, uma vez que não se verificou o aumento de 5,7 por cento como estava previsto contratualmente, e foi possível a descida de cerca de 0,48 por cento.

O edil trofense também não deixou de destacar a “sensibilização da Secretaria de Estado” para aprovar a candidatura e a disponibilidade da Indaqua que, com a redução da tarifa, “terá menos encaixe financeiro na ordem de um milhão e meio de euros”.

Sérgio Humberto acredita ainda que este passo possa trazer boas novas para o futuro, nomeadamente na cobertura total da rede de abastecimento de água no concelho – atualmente é de “92 por cento”, – e na celebração de um contrato isolado, sem envolver o município de Santo Tirso.

Na candidatura ao POVT, a Trofa viu chumbada as empreitadas na freguesia de Covelas e Guidões.

Já Santo Tirso viu ficar de fora dos fundos comunitários o abastecimento no Vale do Leça.