Jogador do Trofense foi convocado para o Campeonato do Mundo de sub-20. Serginho vai oferecer a camisola da seleção ao treinador Porfírio Amorim.

A timidez na primeira abordagem condiz com a juventude, mas apesar da imaturidade, Serginho já deu alegrias à massa associativa do Clube Desportivo Trofense. A sua estreia como sénior foi positiva e valeu-lhe a presença no Mundial de sub-20.

O avançado foi convocado por Ilídio Vale para viajar para a Colômbia, depois de apenas duas presenças no estágio da seleção, este ano.

Mesmo sem fazer parte da comitiva lusa no Torneio de Toulon, que se realizou este mês, Serginho preparou-se para vestir a camisola das quinas no Mundial. “Recebi a notícia com uma enorme satisfação, apesar de estar mais ou menos à espera. Fiquei muito feliz e muito orgulhoso da época que fiz e do trabalho que desenvolvi”, referiu em entrevista ao NT e TrofaTv.

 

O jogador não tem dúvidas que a chamada à seleção “é o prémio” pelo desempenho que teve no Trofense, apesar de sentir que também fez “um bom trabalho na seleção”. “Espero fazer um bom Mundial e que os jogos me corram bem como correram no Trofense”, frisou.

Serginho tem noção que esta prova lhe dará uma “projeção maior” que a Liga de Honra: “No Mundial toda a gente está a ver, por isso quero fazer bons jogos para bem do meu futuro”.

Serginho não terá problemas de integração no grupo e até há jogadores com quem socializa mais, como Sérgio Oliveira, Caetano, Rafael Lopes e Pelé.

Se a primeira camisola ao serviço da seleção foi para os pais, a que Serginho usar no Mundial também já tem destinatário: o treinador Porfírio Amorim. “Vai ser uma pessoa que vai estar sempre no meu coração e, se puder, vou falar com ele quase todos os dias, porque, para além de um excelente treinador, é um excelente homem e no que eu puder fazer por ele farei, sem dúvida”, sublinhou.

Depois do Mundial, Serginho quer encontrar um Trofense com estabilidade diretiva para “atacar a subida de divisão”.

Quanto às ambições pessoais, Serginho espera chegar a um “grande” em Portugal, de preferência o Benfica. “É um clube especial, mas se tiver de representar um Porto ou um Sporting não me importo. Se jogasse no Benfica dava uma alegria muito grande ao meu pai, também por causa disso é que gostava de jogar lá”, explicou.

Por ter sido formado no Trofense, Serginho sabe que é um exemplo a seguir para os atletas das camadas jovens do clube: “Isto é prova que o departamento de formação deste clube está cada vez melhor e nos ajuda a preparar melhor a chegada ao futebol profissional. Tenho consciência que sou um exemplo e vou fazer sempre tudo para dar um exemplo certo e correto aos miúdos”.

No Mundial da Colômbia, que decorre de 29 de julho a 20 de agosto, Portugal está integrado no Grupo B, juntamente com o Uruguai, que defronta no segundo dia da competição, os Camarões e a Nova Zelândia.

{fcomment}