"Obrigado por estarem sempre ao nosso lado, obrigado por ajudarem a crescer as nossas asas, obrigado por nos ensinarem a olhar para trás e ver o que está em frente, simplesmente obrigado". Foi com estas palavras que Rita Ferreira, aluna da Escola Secundária da Trofa encerrou o seu discurso da sessão solene comemorativa dos 25 anos deste estabelecimentos de ensino.

  Tal como a Rita, outros 1800 alunos tem na Secundária da Trofa a segunda casa onde "chegaram com as asas pequeninas" e onde os professores os ensinam a voar. Para Rita "a escola são as pessoas, são os alunos, os funcionários e os professores. A escola não é perfeita, os professores não são perfeitos, os alunos não são perfeitos, nada é perfeito deveria eu mentir e dizer que tudo é de sonho e somos espectaculares? Não. Devo dizer que aqui fazem-se rapazes e raparigas, homens e mulheres, aqui fazem-se asas e pessoas". Foi com este discurso arrepiante que a Rita falou em nome dos 1800 colegas da Escola, e de todos os outros que "chegaram e partiram e a quem os professores foram guiando e "puxando uma pena das asas pequenas para depois os ensinar a voar até ao sol".

Sousa Martins é um dos antigos alunos da Escola Secundária da Trofa que marcou presença na festas de comemoração dos 25 anos da Escola onde estuou e se fez homem, onde sonhou em chegar mais alto, Como ele próprio afirmou, visivelmente comovido e com a lagrima no canto do olho "esta escola também é a escola das primeiras vezes, foi aqui que eu plantei uma árvore pela primeira vez, foi aqui a primeira vez que namorei, a primeira vez que dei um beijo, foi uma escola de muitas primeiras vezes, esta foi também a escola que me proporcionou as maiores férias escolares acho que da história de Portugal", brincou o jornalista.

O jornalista não se esqueceu de lembrar os professores que o ensinaram, nem mesmo os funcionários "que não nos deixavam descer pelas escadas dos professores", frisou Sousa Martins com um brilhosinho nos olhos. O jornalista frisou que "se há um bocadinho de mim nesta escola, há com certeza muito desta escola em mim, e olhando para estes alunos digo, aproveitem tudo o que vos ensinam aqui dentro".

Mas a escola também se faz de momentos mais formais, de assuntos sérios e de cooperação com a comunidade. Assim a empresa Eurico Ferreira, ciente da sua responsabilidade social, decidiu atribuir bolsas de mérito escolar aos melhores alunos dos 10 º, 11º e 12ºs anos. Assim estas bolsas rondam valores entre os 200 e 500 euros, dependendo do ano e do patamar de classificação. Eurico Ferreira, fundador da empresa considera "importante a formação de quadros intermédios e superiores para enriquecer o mercado de trabalho", salientando que estas bolsas de mérito servirão de incentivo aos jovens alunos desta escola para serem sempre melhores", frisou.

No protocolo celebrado ficou ainda estabelecido que a " Eurico Ferreira oferece estágio curricular durante o período de férias escolares desde que tenham mais de 16 anos".

Em dia de aniversário e aproveitando a presença de Manuel Ribeiro, em representação da Direcção Regional de Educação do norte foi o momento certo para "pedir" o que faz falta a esta escola. José Manuel Antunes, presidente do conselho Executivo da Escola elencou as necessidades mais prementes da escola frisando a necessidade de "adequar os laboratórios à nossa realidade, a construção de um novo anfiteatro maior e melhor que permita a realização de acções de maior envergadura sem quaisquer constrangimentos, um parque de estacionamento que nos liberte do recurso constante ao bate-chapas e ao pagamento de multas, deixando aqui desde já o apelo à direcção regional e ao município, num reforço de meios informáticos para a actividade lectiva, a colocação de pessoal nos serviços administrativos que é absolutamente essencial". Reconhecendo o esforço dos agentes envolvidos no estabelecimento de ensino, José Manuel Antunes lembrou que muito se tem feito na Escola e frisou "a colocação dos cartões magnéticos que resultam de uma parceria com o município e a associação de pais , com o controlo de entradas e saídas e a construção da nova portaria de acesso à escola".

E porque a escola não se faz só de professores, alunos e funcionários os pais também marcaram presença neste dia importante. O presidente da Associação de Pais António Costa frisou a importância desta data para a comunidade escolar mas lembrou que "quando esta associação chegou a esta escola encontrou uma Associação de Pais amorfa,. Tentamos durante o ultimo ano não ser incomodativos mas não abdicamos da nossa função interventiva, para uma escola melhor, participamos em todas as reuniões para as quais fomos solicitados, tentamos cativar os pais, o que não é fácil numa escola cada vez mais stressante". Mas foi a falta de segurança que na escola, ou a possibilidade de esta vir a faltar que levou a Associação a colocar pés a caminho e implementar o controlo de entradas e saídas através de cartões magnéticos. "a falta de dinheiro dificultava esta tarefa mas não desistimos e com a colaboração de todos estamos prestes a arrancar com este sistema", assegurou António Costa.

Em resposta às solicitações de professores, alunos e pais, Manuel Ribeiro da DREN, garantiu que " aquilo que foi, aqui com justiça, reclamado vai ser atendido. Está em marcha um programa de requalificação que todos vocês conhecem. A ampliação construção de novas instalações no âmbito do ensino secundário está prometida desde o inicio do ano e há uma empresa que foi constituída para o efeito, que terá a responsabilidade até 2013, fazer a requalificação, construção e ampliação do parque escolar do secundário, esse trabalho já arrancou,neste momento não tenho oc calendário com a data prevista para esta escola, mas em pouco tempo farei chegar isso ao senhor presidente".

Relativamente a equipamentos o responsável da DREN lembrou que "há um programa que está a ser desenvolvido no sentido de equipar as escolas com as redes estruturadas, vigilância e controlo por cartões magnéticos, as escolas estão a ser alvo dessa intervenção, está a ser desenvolvida pelo Gabinete central, é uma grande intervenção a nível nacional, e estará garantida também a manutenção do sistema durante três anos".

Três dias de festa

Além da sessão solene e do almoço que na quinta-fera atraiu à escola alguns convidados ilustres, como representantes da autarquia, do presidente da AEBA, de representantes de outras escolas, de pais, alunos, autarcas, empresários, professores e funcionários que encheram por completo o Polivalente da escola onde decorreu o almoço, abrilhantado por um espectáculo protagonizado por alunos do estabelecimento de ensino.

Recorde-se que as comemorações dos 25 anos da Escola Secundaria da trofa tiveram inicio com as actividades desportivas na manha de terça-feira e à hora de almoço centenas vários bolos de todos os tamanhos e de vários feitios serviram para colocar as duas velas à lus das quais se cantaram os parabéns à escola.

De tarde as actividades continuaram estendendo-se até quinta-feira, dia de encerramento das comemorações e de marcar um novo encontro para a festa dos 26 anos da Escola Secundaria da Trofa que nessa altura estará mais madura e mais adulta.