quant
Fique ligado

Edição 472

Santiago de Bougado pode ficar sem Parque das Azenhas

Publicado

em

Está em cima da mesa a possibilidade de a autarquia abdicar de uma parte do percurso do Parque das Azenhas. Santiago de Bougado, criando a Freguesia de Bougado, pode perder o único espaço de usufruto público na margem do Rio Ave.

Depois de ter anunciado na Assembleia Municipal que as obras iriam ser retomadas “brevemente”, o presidente da Câmara, Sérgio Humberto, afirmou ao NT que a CCDR-N (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte) não aceitou as duas propostas do município de alterar o projeto: construir uma plataforma elevatória na zona que ficou mais danificada com a subida das margens do Rio Ave, na zona da Barca em direção a Santiago de Bougado, ou encurtar o percurso nessa mesma zona e crescendo em direção à Esprela, zona que o executivo camarário entende que “não seria tão afetado” pelas cheias.

À nega da CCDR-N para proceder a qualquer uma destas alterações, a Câmara Municipal tem de se cingir ao projeto inicial, no entanto o autarca revelou que “está em questão abdicar do percurso para lá do Ribeiro da Samogueira, em direção a Santiago de Bougado”. “A obra vai ser retomada numa primeira fase entre a zona da Barca até à ponte do caminho de ferro, onde os estragos são mínimos. Quanto à outra, neste momento está uma equipa de fiscalização a quantificar ao cêntimo os prejuízos que foram feitos e quanto é necessário para repor o que foi estragado. Na próxima semana teremos nova reunião com a CCDR-N e vamos ver se vamos recuperar essa parte e de que forma”.

O fim do prazo para a conclusão da obra está apontado para “finais de junho” e caso a autarquia não a conclua até essa data, pode correr o risco de perder fundos comunitários.

Recorde-se que o projeto envolve um investimento de cerca de três milhões de euros, comparticipados em 85 por centro pelo QREN (Quadro de Referência Estratégica Nacional).

O Parque abriu parcialmente até à zona da barca a 15 de setembro e durante o inverno ficou danificado, devido à subida das margens do Rio Ave, sobretudo junto à Quinta do Zé Emílio e estufas da empresa Hortiflor, local onde os terrenos são quase planos, onde em época de cheia, as aguas galgam vários metros as margens do rio Ave.

Publicidade
Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 472

Opinião: Homens de Plástico

Publicado

em

Por

Ricardo Garcia

Ouvir e ver o nosso primeiro-ministro não tem sido tarefa nada fácil, pois não consigo distinguir a realidade da ficção. Para quem conhece o filme Blade Runner (Ridley Scott, 1982), Pedro Passos Coelho parece um replicante ou humanoide, um robot orgânico construído por uma grande corporação, incapaz de se distinguir no meio dos humanos.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição 472

Projeto escolar ajuda a divulgar futebol de rua

Publicado

em

Por

“Divulgar” o futebol de rua e mostrar que não é preciso gastar dinheiro para praticar desporto e ter uma vida saudável foram os objetivos do projeto de aptidão profissional de Bruna Costa, aluna do curso de Gestão Desportiva na Escola Secundária da Trofa.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também