À semelhança do ano passado, as festas de Nossa Senhora da Alegria contaram com a presença de muitos devotos, que quiseram assistir às missas, cumprir as suas promessas e marcar presença, também, no festival de folclore que se realizou no domingo, dia dedicado a S.Gens.

  O Monte de S. Gens foi palco das festividades em honra de Nossa Senhora da Alegria, que se realizaram nos primeiros dois dias de Setembro. Muitos foram os crentes que se deslocaram para assistir às missas em honra da santa e ao festival de folclore, realizado no segundo dia do programa.

No primeiro dia de comemorações, o monte de S. Gens, em Cidai, Santiago de Bougado encheu-se de pessoas para assistir à missa solenizada, na qual houve oração das mães e consagração das crianças (principalmente menores de 3 anos) a Nossa Senhora da Alegria, com alocução própria.

Domingo, dia de S.Gens, começou com uma missa, pelas 9 horas, seguindo-se a peregrinação do Facho até ao santuário, com a participação da paróquia e todos os devotos, cumprindo as suas promessas. A manhã terminou com uma missa solene em louvor de S. Gens, com sermão geral.

À tarde, o ponto alto das comemorações foi o Festival de Folclore, no qual participaram o Grupo Danças e Cantares Santiago de Bougado (Trofa), o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Santa Catarina da Fonte do Bispo (Tavira), o Rancho Folclórico Casa do Povo de Alpiarça (Almeirim), o Rancho Folclórico Rosas do Lena (Batalha) e o Grupo Folclórico S. Paulo de Barroselas (Viana do Castelo). Este festival foi organizado pelo grupo trofense.

Integrada nas festas em honra a Nossa Senhora da Alegria, no dia 17, dia da Gente do Mar, há missa pelas 9 horas e 10h15.

Em entrevista ao NT, Manuel Ramalho, presidente da Comissão de S. Gens, fez um balanço positivo das festividades. "Estas festas correram muito bem, à semelhança do que se passou o ano passado. As cerimónias religiosas contaram com a presença de muita gente e o festival de folclore foi excelente".

De salientar que estas festas são "invadidas" todos os anos por peregrinos das Caxinas, da Póvoa de Varzim e das comunidades piscatórias do Norte, que segundo o presidente "trazem consigo uma devoção enorme e o cumprimento de algumas promessas. Eles sobem o monte de S. Gens ainda muito cedo e com muita fé para prestar uma devida homenagem à santa", concluiu.