O alerta soou no Quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa cerca 11.50 horas, via 117 , para um incêndio na Calçada Ilídio de Almeida "Cacau", no lugar de Trinaterra, na Freguesia de S. Mamede do Coronado, destruiu por completo um barraco, onde Eugenia Pereira e o companheiro Alberto Barbosa , guardavam os poucos haveres, há cerca de um ano escaparam ao incêndio na casa onde viviam.

 De acordo com Alberto Barbosa, servente de construção e a viver de favor na casa de um vizinho "não sei como isto foi acontecer, fiquei sem nada", afirmou o homem que aguarda realojamento no pólo de habitação social em S. Romão do Coronado, desde 2005.

O homem afirmou ter sido alertado para o fogo por vizinhos, desconhecendo por isso a origem do fogo "misterioso". O certo é que a relação entre Alberto e o senhorio não era pacifico já que há vários anos que o inquilino na pagava a renda, como ele próprio confirmou ao NT. "O valor da renda era 35 mil escudos, na moeda antiga, e eu paguei-a algum tempo, mas como o senhorio não me passava recibo deixei de pagar", assegurou o homem.

Os Bombeiros Voluntários da Trofa combateram o sinistro com oito homens, três veículos e estiveram ainda no local a brigada da Protecção Civil da autarquia e a GNR da Trofa que tomou conta da ocorrência.

Incêndios florestais em números

Os bombeiros conseguiram circunscrever ao fim da madrugada de quarta-feira dois incêndios que lavravam nos concelhos de Santo Tirso e Paredes, distrito do Porto, informou a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC).

O incêndio de Santo Tirso, que lavrava numa zona de floresta na Agrela, desde as 23:41 de terça-feira, foi circunscrito às 04:32, encontrando-se a essa hora no local 62 bombeiros e 17 veículos.

Em Gandra, concelho de Paredes, ainda estão destacados 66 bombeiros e 17 veículos, depois de o incêndio que ali consumia mato desde as 01:40 ter sido circunscrito às 05:14.

Na Trofa os Bombeiros registaram na última semana cinco alertas de incêndio florestal (Alvarelhos, Covelas, Jovim, S. Martinho de Bougado) e prestaram 29 serviços de patrulhamento e vigilância.

De acordo com dados da Direcção Geral de Recursos Florestais , entre Janeiro e Agosto de 2007, registaram-se 7.081 ocorrências de fogo (986 incêndios florestais e 6.095 fogachos), que consumiram uma área total de 12.188 hectares, sendo 6.583 hectares de povoamentos florestais e 5.605 hectares de matos.

Os maiores valores de área ardida verificam-se nos distritos de Santarém (2.328 hectares) e Beja (2.301 hectares), indica também a DGRF.

O maior número de incêndios florestais ocorreu em Vila Real e Braga (116 e 109, respectivamente), enquanto Porto e Lisboa são os dois distritos mais afectados por fogachos, o primeiro com 1.141 e o segundo com 733.

Quando comparados os registos deste ano com os valores médios apurados no quinquénio anterior, verifica-se que houve menos 14.407 ocorrências de fogo e arderam menos 183.624 hectares.