Rui Silva é um dos nomes avançados para potencial candidato à sucessão de José Eduardo Bettencourt na direcção do Sporting.

A vontade que o actual presidente do Trofense – mandato termina a 31 de Janeiro – apresente lista para a direcção leonina surgiu por parte de um conjunto de adeptos do Norte do país. O movimento gerado pretende influenciar Rui Silva a avançar para a liderança do clube de Alvalade.

O jornal O Jogo confirma ainda que também no seio do emblema há quem já tenha contactado Rui Silva com o mesmo propósito.

Ao diário desportivo, o actual presidente do Trofense, que se apelida de “leão desde pequenino”, afirmou que admite equacionar a possibilidade “no momento certo”. “Na vida, tudo é possível. Fico triste pelo momento que o Sporting atravessa, mas estou disponível para ponderar a hipótese de uma candidatura à liderança do clube. Nesta altura não vou entrar em grandes considerações, até porque ainda não sei se vai haver eleições”, referiu.

O empresário referiu ainda que “ser desafiado para o cargo é sinal de prestígio e de que o trabalho no Trofense está a ser apreciado, mas esse é um tema para ser analisado com calma, porque não se pode andar a brincar aos presidentes”.

O nome que reúne mais consenso entre os actuais dirigentes para suceder a Bettencourt é Rogério Alves.

Depois de Rui Silva ter prestado declarações ao jornal O Jogo, à TSF e ao programa Bola Branca, da Rádio Renascença, o actual presidente do Trofense escusou-se a prestar declarações ao NT, argumentando que não fala mais até ao dia 27 de Janeiro. Esta é, de resto, uma das muitas tentativas que saíram goradas por parte do NT para conseguir obter alguma posição oficial de Rui Silva, que remete sempre para outra altura declarações sobre assuntos da actualidade desportiva.

Ainda não há listas para a nova direcção do Trofense

Continua o impasse quanto ao futuro do Clube Desportivo Trofense. Até à hora de fecho desta edição ainda nenhuma lista tinha sido apresentada à Assembleia-geral para os órgãos sociais do clube e se tal cenário se mantiver, no dia 27 de Janeiro, não haverá condições para se realizar eleições.

A Assembleia-geral terá, então, que marcar uma reunião 15 dias depois, para a constituição de uma comissão administrativa, que assegure a gestão do clube até ao final da temporada.

O presidente ainda em funções, Rui Silva, mantém o silêncio junto da comunicação social, mas já assegurou que não pretende candidatar-se à direcção do emblema trofense. Ao jornal O Jogo disse apenas que “por falta de apoios” não se vai recandidatar. “Isto não pode ser o Clube Desportivo Trofense/Rui Silva”, frisou.

Recorde-se que a Assembleia-geral ordinária do clube realiza-se no dia 27 de Janeiro, pelas 20 horas, no Auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado.