ruipedrosilvaOs atletas Rui Pedro Silva, no sector masculino, e Jessica Augusto, em femininos, venceram hoje a primeira edição da São Silvestre de Lisboa, prova em que a grande ausente foi Vanessa Fernandes, lesionada.

A vice-campeã olímpica do triatlo em Pequim2008 era uma das principais figuras para a corrida em Lisboa, mas uma contractura muscular nas costas impediu-a de correr hoje, impedindo-a também de alinhar no domingo na corrida de São Silvestre do Porto.

Em masculinos, Rui Pedro Silva começou a “desenhar” a vitória sensivelmente a meio do percurso (quatro quilómetros), quando o atleta do Maratona Clube de Portugal marcou as distâncias para Ricardo Ribas e para o francês David Ramard.

Rui Pedro Silva fez a segunda passagem no Rossio em 19.40 minutos e depois de já ter subido a Avenida da Liberdade, o que lhe deu logo alguns segundos de vantagem para o seu colega do Maratona e para Ramard.

Este trio manteve-se inalterado até ao final, com Rui Pedro Silva a garantir a vitória em 28.52 minutos, numa prova rápida em que Ribas segurou o segundo lugar (29.42) e o francês Ramard o terceiro (29.52).

“A partir dos quatro quilómetros dei um ‘esticão’ e ganhei 50 metros, depois foi só manter”, explicou no final Rui Pedro Silva, que no domingo compete na corrida de final do ano da cidade do Porto.

No sector feminino, a ausência de Vanessa Fernandes resumiu a luta pelo triunfo a Jéssica Augusto, da Nike International, e a Dulce Félix, do Sporting de Braga, com vantagem para a primeira, que desde cedo controlou a corrida.

O percurso de dez quilómetros, com duas passagens pela praça do Rossio, ida até ao Cais do Sodré e subida da Avenida da Liberdade foi fácil para a vice-campeã europeia de corta-mato, primeira entre as mulheres e 11ª do geral, com 32.36 minutos.

Jéssica seguiu lado-a-lado com Dulce Félix até ao último quilómetro, momento em que arrancou para a vitória, num percurso que considerou “interessante”, apesar da chuva que se fez sentir durante quase toda a prova.

“No último quilómetro quem teve mais forças seguiu. Tentei aumentar (o ritmo) um bocadinho nos últimos metros”, disse a atleta, cujo objectivo era desgastar-se o menos possível, pois no domingo corre a São Silvestre do Funchal.

No final, a organização da prova, a cargo de Hugo Sousa, considerou que está dado o primeiro passo para cimentar uma São Silvestre na cidade de Lisboa, mas a ambição é vir a ter uma prova que possa ombrear com outras corridas internacionais.

“Este ano foi uma primeira experiência e preferimos ter uma prova controlada em termos de espectadores. Queremos seguir exemplo de outras São Silvestre, como a de Madrid, com 25.000 atletas, ou de São Paulo, que já leva 84 edições”, concluiu Hugo Sousa.

 RPM.

Lusa/fim