“Espírito rotário é ajudar o próximo e divulgar a actividade”

 rotaract

Em cada balão, um ano de ajuda ao próximo sem querer nada em troca. Foi assim que o Rotaract Clube da Trofa assinalou o 41º ano da instituição no mundo, com o lançamento de 41 balões que deram um colorido especial ao Parque Nossa Senhora das Dores.

 

Dezenas de companheiros de vários clubes espalhados pelo país e convidados reuniram-se no “salão de visitas” da Trofa para dar início a uma tarde de convívio, que passou pela visita à Casa da Cultura da Trofa e por uma sessão de trabalhos no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado.

De Viana do Castelo ao Pombal, passando por Póvoa de Varzim, Espinho, Porto, Águeda, Loulé, Famalicão e Santo Tirso, muitos foram os rotários, pertencentes ao Distrito 1970, que visitaram a Trofa e passar “uma tarde diferente”, aproveitando a data e a simbologia do Parque Nossa Senhora das Dores.

Em cada balão largado, uma mensagem voava, de cada elemento que o largou e que exprimia o que é ter espírito rotário. Para Luís Filipe Moreira, presidente do Rotaract Club da Trofa, ser “rotaractista” implica “ajudar o próximo sem esperar nada em troca”. Este lema do dar de si antes de pensar em si, global em todo o movimento rotário, tem que ser acompanhado pela “divulgação desse mesmo espírito”, no sentido de captar cada vez mais pessoas para o grupo.

Para além do convívio, este encontro serviu também, segundo o presidente, para a “partilha de experiências e actividades de cada clube, assim como a elaboração de projectos conjuntos”. Foi sobretudo, um “encontro de jovens” e por isso não podia faltar representantes do Interact, o movimento mais jovem do Rotary.

Nuno Moreira, representante do grupo, afirmou estar “orgulhoso” por pertencer a um movimento que “consegue manter em funcionamento a solidariedade e outros ideais que ainda prevalecem em Portugal”.

É com “ambição” que o jovem celebra os 41 anos do Rotaract, pois espera um dia poder fazê-lo “da mesma forma” com o Interact, grupo onde ganhou “uma grande experiência na vivência com outros clubes”.

“Em movimento rotário queremos dar um bocadinho de nós próprios. Desta forma, quando eu for para o Rotaract, quero dar sempre o meu contributo e isso passa por dinamizar o companheirismo”, afirmou.

Não só o ser voluntário preenche os requisitos de um bom rotário. Para Marco Abrantes, representante distrital do Rotaract, “mais do que nunca, os desafios de hoje em dia implicam que tenhamos uma formação enquanto jovens que nos compita dar um contributo ainda mais relevante no futuro”.

“Não é apenas desenvolver a nossa componente solidária, mas é também potenciar as nossas capacidades profissionais, não só como estudantes, mas como jovens trabalhadores e ao mesmo tempo construirmos, baseando-nos nalguns valores que o movimento rotário traz, como a solidariedade, a verdade, o trabalho, a noção de família e pensar os problemas de forma diferente”, explicou.

O jantar de companheirismo, contou com a finalização de um projecto distrital, consistindo no leilão de fotografias, subordinadas ao tema “Afectos”, que possibilitou a angariação de 200 euros, que vão reverter para a vacinação de 400 pessoas. Durante o jantar foi Luís Pinheiro foi reconhecido como membro honorário do Rotaract Club da Trofa.