quant
Fique ligado

Edição 432

“Rock na Devesa” divulga talento das bandas de garagem

Publicado

em

 

Parque da Devesa, em Vila Nova de Famalicão, acolhe concurso de bandas de garagem, que decorre de 9 a 24 de agosto. Inscrições terminam no dia 24 de julho.

Dezasseis bandas de garagem vão mostrar o que valem no concurso “Rock na Devesa”, que se realiza entre os dias 9 e 24 de agosto em Vila Nova de Famalicão. As bandas interessadas em participar têm até quarta-feira, 24 de julho, para efetuar a inscrição.

O anfiteatro ao ar livre do Parque da Devesa foi o palco escolhido pela organização conjunta da Associação Cultural Kazoo e a Câmara Municipal de Famalicão, que com este concurso pretende “tornar pública a produção das bandas amadoras locais e nacionais”.

Na primeira etapa do evento são selecionadas as 16 bandas a concurso. Das quatro sessões, as quatro melhores e o segundo lugar mais pontuado vão à final. A vencedora leva para casa um prémio monetário no valor de “500 euros” e a oportunidade de atuar na FNAC de Guimarães.

Entre os membros do júri estão, por exemplo, Elísio Donas, dos Ornatos Violeta, e Pedro Guedes, dos Blind Zero.

Paulo Cunha, vice-presidente da Câmara Municipal, referiu que o concurso vai “certamente contribuir para o crescimento de muitas bandas famalicenses, que tem aqui uma excelente oportunidade para trocar experiências, aprender e conviver com outras bandas nacionais”. Já o membro da Associação Cultural, Carlos Magalhães, vê este evento como “um estimulo para a formação e para o trabalho desenvolvido pelas bandas de garagem”.

O concurso destaca-se ainda pelo seu cariz solidário, uma vez que durante o evento serão “angariados fundos”, para “ajudar na compra de uma nova cadeira de rodas” para o famalicense Carlos Ribeiro.

Publicidade
Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 432

António Azevedo, presidente da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, em entrevista

Publicado

em

Por

 

 “Sem apoio da Câmara da Trofa, conseguimos requalificar a Casa Mortuária e pavimentar várias ruas”

Liderou durante 12 anos a freguesia de Santiago de Bougado e nas próximas eleições deixa “um valor patrimonial imenso”. Só não conseguirá construir a obra que serviu de bandeira política: o Centro de Dia. António Azevedo diz que “há dinheiro” para a empreitada, mas acusa autarquia de “discriminação”.

O Notícias da Trofa (NT): Como avalia o mandato que está prestes a completar, assim como toda a sua estadia na Junta de Freguesia de Santiago de Bougado?

António Azevedo (AA): Sobre a “avaliação deste mandato”, direi que foi um misto de uma vontade e de uma luta enorme por parte da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado de construir a Casa Mortuária, Centro de Dia e alguns arruamentos e uma vontade clara por parte da Câmara Municipal da Trofa, na pessoa da senhora presidente Joana Lima, para que nada fosse feito na freguesia de Santiago de Bougado. Mesmo assim, e sem apoio nenhum da Câmara da Trofa, ainda conseguimos requalificar a Casa Mortuária e pavimentar várias ruas…

Em relação à “avaliação a toda a sua estadia na Junta de Freguesia”, permita-me que sejam os bougadenses a avaliar o nosso trabalho de 12 anos, não a nossa estadia, pois a Junta de Freguesia nunca foi para nós um local de férias.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição 432

Seniores divertem-se nas colónias balneares

Publicado

em

Por

colonias-balneares-seniores

 colonias-balneares-seniores

Executivo camarário visitou seniores que participaram na primeira quinzena das colónias balneares, na Praia do Leixão, na Póvoa de Varzim. 

“Hoje vai haver pagode”, afirmava Maria Irene Sousa, batendo numa pandeireta, quando avistou o executivo camarário chegar perto da barraca onde estava sentada junto das companheiras de praia. Despachada, a mulher de S. Romão do Coronado lá explicou o sentido da afirmação: “Somos pobres, mas alegres e estamos aqui quase de graça, ainda melhor”.

Maria Irene lá confessou que as colónias balneares servem para muito mais do que para meros banhos de sol e de mar: “Eu quase que nem entro na praia. Começo a volta com o pequeno-almoço e depois vou à missa. Depois vamos ao peixe ou comprar alguma coisa que precisámos e depois vamos embora todas contentes”.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);