Depois da instalação de um parque industrial, Ribeirão tem crescido tanto em termos comerciais, como populacionais.

O NT quis conhecer melhor a freguesia onde começa o Minho e que está apenas à distância de uma ponte…

“Nas últimas décadas, Ribeirão era uma freguesia com características predominantemente rurais e com pequenas indústrias de confecção, tecelagem e carnes verdes, mas foi crescendo em população, tornou-se um importante pólo para instalação de um parque industrial de média dimensão, ganhou o estatuto de vila e a partir daí tem protagonizado uma significativa evolução do ponto de vista do parque habitacional, comercial e industrial, com uma população cada vez mais dinâmica e consciente das suas carências e direitos”. É desta forma que o presidente da Junta de Ribeirão, Adelino Oliveira, caracteriza a freguesia que dirige.

Com cerca de 15 mil habitantes, esta vila minhota deve a sua elevada densidade populacional, sobretudo às várias indústrias que nela se têm instalado e à proximidade com “grandes cidades”. “Os ribeirenses são pessoas que vivem os problemas da sua terra e que, por isso, aderem às iniciativas de carácter associativo e se tornam reivindicativos de condições de vida adequadas”, atesta o autarca.

Para que essas melhorias sejam uma realidade, Adelino Oliveira está empenhado em “estender o abastecimento de água e o saneamento a todas as áreas da vila, bem como concluir a pavimentação e repavimentação de algumas vias, como a Avenida Rio Veirão”. “A médio prazo queremos remodelar a Casa Mortuária, requalificar as margens do Rio Veirão criando uma zona de lazer, construir um auditório que sirva as exigências associativas e culturais, abrir algumas novas ligações viárias que descongestionem o trânsito e facilitem os acessos”, enumerou.

Com o aumento da população torna-se necessário, de forma mais notória, maior atenção aos serviços na área de educação e de acção social. “Neste âmbito, as Juntas devem estar atentas aos problemas e exercerem junto do Município um forte papel interventivo e reivindicativo. Temos acompanhado a construção do Centro Escolar, que entrará em funcionamento no próximo ano lectivo, reivindicámos condições para a instalação do ensino secundário, quer seja com nova construção quer seja com a ampliação da actual Escola EB 2/3. No campo social estamos atentos às situações mais gravosas, encaminhámos-las para análise e estamos sempre presentes no momento de ajudar a resolver os problemas”, garante o edil ribeirense.

O complexo de piscinas, inaugurado em 2008, é uma das “mais-valias relativamente à qualidade de vida que proporciona aos cidadãos”. Este equipamento era “reivindicado há mais de vinte anos e  injustamente protelado em benefício de outras zonas do concelho” e tem sido “muito bem aproveitado pela população em geral, sobretudo crianças e jovens das escolas bem como os idosos do programa sénior”.

Mas nem sempre estar à distância de uma ponte é sinónimo de estar perto.. Que o digam as pessoas que, diariamente, têm de passar na ponte sobre o Rio Ave. “Um problema das nossas comunidades é sem dúvida o trânsito na Estrada Nacional 14 e a falta de alternativas, o que causa um estrangulamento atrofiador para as pessoas e para as empresas instaladas no nosso vasto parque industrial. Esperamos que a prometida Variante a Poente se concretize o mais rapidamente possível”, relembra Adelino Oliveira.