Foram as eleições mais participadas da história do PS/Porto e Renato Sampaio foi o vencedor. Com 54 por cento da votação o anterior líder da Federação foi reconduzido. Na Trofa, José Luís Carneiro, arrecadou a maioria dos votos.

Renato Sampaio venceu as eleições para a liderança do PS/Porto, no terceiro mandato na liderança da estrutura, com 54 por cento dos votos contra os 46 conseguidos por José Luís Carneiro, presidente da Câmara de Baião.

As eleições foram bastante participadas, contabilizando-se mais de 10 mil militantes socialistas na corrida às urnas, entre sexta-feira e sábado. Renato Sampaio conquistou 66 das 95 estruturas do PS, tendo ainda vencido em 12 das 18 concelhias. No concelho trofense José Luís Carneiro, apoiado pela presidente da autarquia e líder do PS/Trofa, Joana Lima, foi um claro vencedor. Na Trofa, o resultado total das diferentes secções foi expressivo: 1019 votos contados para a candidatura de José Luís Carneiro, contra os 260 para Renato Sampaio, de acordo com dados não consolidados.

No discurso de vitória, Renato Sampaio garantiu que obteve mais votos nestas eleições do que nas de há dois anos e acrescentou que a sua “candidatura soube ganhar” esperando agora “que os outros” saibam perder. “Queremos um PS unido, positivo, activo no combate pelo Porto e pelo Norte e mobilizado no apoio ao secretário geral e ao Governo”, realçou, acrescentando que quer “um Congresso à altura do PS” e que o partido dará “um grande passo em frente” após o Congresso Distrital, marcado para 23 de Outubro.

Renato Sampaio dedicou ainda a sua reeleição a Mário Soares e ao “camarada e secretário-geral” José Sócrates, que afirmou ser “um amigo solidário, de sempre” e “atento” àquilo que se passa no distrito do Porto. “Quero dedicar-lhe (a José Sócrates) esta vitória pela sua capacidade de resistência, pela dedicação, pela solidez e pelo seu exemplo de combate contra a calúnia, a infâmia e a mentira”, frisou Renato Sampaio.

Na sede da federação o líder contou com o apoio do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro, da Governadora Civil do Porto, Isabel Santos, e do presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto.

Quanto a José Luís Carneiro, acompanhado pelo líder da bancada parlamentar do PS, Francisco Assis e pela presidente da Câmara da Trofa, Joana Lima, no discurso deixou bem claro: “Esta caminhada não terminou aqui”.

“Há um movimento de esperança que está disseminado por todo o distrito do Porto e esse movimento, que nasceu com esta candidatura, não pode ficar por aqui porque todos os militantes querem ter voz na vida interna do Partido Socialista”, explicou.

Para José Luís Carneiro, a sua candidatura tem agora o “dever”, na Comissão Política Distrital, de corresponder aos compromissos assumidos com os militantes, correspondendo “à vontade” que estes têm de ser ouvidos e respeitados. “Naturalmente que termos metade da Comissão Política Distrital equivale a uma responsabilidade inalienável que deverá ser colocada ao serviço dos militantes, do distrito e dos interesses da região Norte”, realçou.

 

Com Lusa