A atual crise económica e financeira, que tem originado uma descrença quanto ao futuro, tem promovido algumas mudanças nos hábitos dos portugueses, a começar pela troca do almoço no restaurante com o levar para o trabalho a comida preparada em casa. É o regresso do velho hábito de levar a marmita com o almoço para o trabalho, que se tornou “moda” e até uma oportunidade para novos negócios.

Enquanto no passado, o modelo de marmita era quase único, com “um ou dois andares” e feitas em alumínio, agora os modelos são muito variados. Para além do tradicional alumínio, também já existem marmitas em plástico e até em vidro. Todas muito “elegantes” a condizer com as receitas feitas por chefs profissionais, que também apostaram nesta oportunidade ao criarem comida preparada em casa para o almoço no trabalho. Esta redescoberta da marmita, até pode ser uma opção saudável e económica.

O velho hábito de levar para o trabalho a comida confecionada em casa, começou a generalizar-se no decorrer da atual crise, embora muitos portugueses sempre tiveram esta conduta, mesmo em tempo de «vacas gordas”, que poucos previram mudar para tempo de “vacas anoréticas”. Esses portugueses não tiveram de se adaptar; já eram utilizadores da marmita.

Não se sabe ao certo quando este hábito, de levar a marmita com o almoço para o trabalho, surgiu. Sabe-se que faz parte da nossa cultura e está arreigado no povo português desde tempos remotos. Eram os camponeses, que levavam a sua refeição para o campo e também os operários e outros empregados, que levavam o seu almoço para as fábricas.

No passado bem longínquo, eram, em muitos casos, as mulheres que iam levar o almoço ao esposo, ou mesmo os filhos que iam levar o almoço ao pai. Eram refeições preparadas com ingredientes simples e baratos, mas ao mesmo tempo frescos, saborosos e de fácil preparação. Agora, cada um leva o seu, já muito mais elaborado, com muitas novas tendências a favorecer a dieta. Depende muito do gosto e da imaginação de cada um, mas já existem muitas receitas para este tipo de refeição.

Este regresso à marmita, reintroduz o bom velho hábito de almoçar uma refeição genuinamente caseira, sem riscos de surpresas desagradáveis, pois pode-se planear antecipadamente o que se vai comer no dia seguinte, principalmente se for preparado após o jantar e sem sinais de fome. É uma excelente maneira de acertar nas proporções e nas quantidades dos vários nutrientes que devem compor uma dieta mais cuidada.

Já são muitos os portugueses, que levam o almoço na marmita para o trabalho, mas são muitos mais aqueles que admitem vir a fazê-lo, deixando, assim, de almoçar no restaurante. Esta alteração dos hábitos de muitos portugueses, já fez disparar o número de falências de restaurantes em Portugal.

Este ano, está a fechar, em média, um restaurante por dia. São muitos os fatores que levaram a esta situação. Provavelmente, o aumento do IVA é um desses fatores. Mas, há uma certeza; as dificuldades económicas dos portugueses são, indubitávelmente, causadoras do agravamento da situação.

A marmita regressou e prevê-se que vai ficar ainda por muito mais tempo.

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt

{fcomment}