Pela ordem de chegada, os atendimentos foram sendo feitos na Unidade Móvel do CAD, estacionada esta semana no concelho da Trofa. Esta Unidade, que percorreu ao longo de quatro dias, as freguesias de S. Romão e S. Mamede do Coronado, Alvarelhos e S. Martinho de Bougado, efectuou testes confidenciais e gratuitos, ao vírus do HIV/SIDA, a todos os que a ela se dirigiram.

"Esta ideia já funciona no distrito do Porto há já algum tempo e portanto o CAD – Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce do VHI/SIDA , fez esta parceria com o Centro de Saúde da Trofa", explicou Renato Faria, Director Clínico de Centro de Saúde da Trofa.

Apesar de o número de viaturas ser considerado insuficiente, este projecto pioneiro no concelho "é já um primeiro Unidade do CAD instalada na Trofa atendeu dezenas de utentespasso de uma iniciativa que esperemos dentro em breve, poder vir a aumentar", referiu Renato Faria, acrescentando que "a data não é a mais indicada porque é uma data de férias, mas foi a possível para podermos arrancar".

Ao longo dos quatro dias, a psicóloga e a enfermeira, atenderam várias pessoas, aconselhando-as em relação às precauções a ter com o vírus do HIV/SIDA, mas muitas delas viram nestas profissionais, pessoas a quem puderam confidenciar os seus problemas, muitas vezes de carácter relacional.

O atendimento, incluía um aconselhamento pré-teste, a realização do teste ao vírus e o aconselhamento pós-teste. Trata-se de um teste rápido, com uma simples picada no dedo, e em poucos minutos saberia o resultado que, caso fosse positivo, estava garantido o encaminhamento para uma consulta da especialidade.

Esta iniciativa contou com a colaboração do CAD do Porto, dos Centros de Saúde da Trofa, Alvarelhos e S. Romão do Coronado, das Juntas de Freguesia, da Câmara Municipal da Trofa e das oito farmácias existentes no concelho.

O Teste deve ser feito

A decisão de fazer o teste VHI/SIDA, é considerada uma decisão importante para a protecção de todos, e quanto mais cedo for descoberto o vírus, melhor será a qualidade e a esperança de vida.

O teste deverá ser feito por todos, mas em especial por quem se relacionou sexualmente, sem usar preservativo, partilhou agulhas, seringas ou outro material na injecção de drogas, esteve em contacto directo com sangue, ou por quem pensa engravidar ou está grávida.

De referir ainda que não foi descoberta a cura para a SIDA, mas tem tratamento. E mesmo quem tem SIDA, não morre por causa do vírus, poderá morrer muito tempo depois, até por uma simples constipação, visto que este vírus afecta o sistema imunitário.

Assim, contrariando algumas concepções, a SIDA não se transmite pela partilha de pratos, copos ou roupa, por abraçar, beijar ou acariciar alguém, por partilhar casas de banho, através da picada de insectos ou na convivência com pessoas infectadas, seja em casa, no trabalho, na escola, nos transportes colectivos ou nos serviços de saúde.

Se alguma dúvida surgiu sobre a possibilidade de estar infectado, poderá dirigir-se ao Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce do VHI/SIDA no Porto.