Vários Ranchos, de diferentes terras acorreram à Trofa, ao Parque Nossa Senhora das Dores, no passado dia 21 de julho, pelas 21.30 horas, para o terceiro Festival de Folclore, inserido nas festividades da semana da juventude.

  O Festival Nacional de Folclore, organizado pelo Rancho Folclórico da Trofa, realiza-se já pela terceira vez e "vai passar a ser uma tradição, vamos passar a fazer dois festivais por ano, porque no dia 2 de Março é o dia em que o Rancho faz anos, portanto faz-se o festival do aniversário, e depois outro festival em Julho", referiu Alcino Paixão, actual presidente do Rancho Folclórico da Trofa.

Assim, foram convidados vários ranchos, de diferentes localidades, que mostraram aos presentes os seus trajes, danças e cantares,  como o Rancho folclórico de Canidelo, o Rancho Folclórico Casal Sentista, o Rancho Folclórico "O Cancioneiro de Águeda", a Ronda Típica da Meadela e também o organizador, o Rancho Folclórico da Trofa.

Como referiu Alcino Paixão, ao NT, a organização deste evento, na semana da juventude, "teve como objectivo o convívio, e o renascimento da esperança nos mais novos, e para fazer lembrar que o Rancho está activo, está numa altura de grande progresso", disse, que também considera importante "que os mais novos, venham com outra disposição, outras ideias, outras mentalidades, visto que os mais velhos estão a ficar cansados".

O Rancho Folclórico da Trofa, segundo o seu presidente, "está com muito trabalho, pois temos hoje o festival, para a semana que vem temos um Festival em Porto de Mós, no dia 5 de Agosto, temos em Canidelo no dia 14 vamos para Fornelo, no dia 15 temos aqui na Trofa, no dia 18 vamos para Santa Maria da Feira, no dia 1 de Setembro temos o festival em Fermentões, Guimarães, e no dia 18 de Setembro acaba a época com o festival concelhio".

Mas apesar de todas estas actividades, o dinheiro ainda é pouco, apesar de que " quando batemos de porta a porta, os desconhecidos sempre dão alguma coisa, temos pessoas que respeitam muito o folclore e até nos ajudam bastante", referiu Alcino Paixão, acrescentando que "o que nos salva aqui na Trofa, são as boas festas, as quintas que fazem casamentos e nos convidam , e também os donativos destes carolas que a Trofa tem que estão sempre prontos a ajudar", visto que como afirmou o presidente "um festival de folclore fica à volta de mil contos", tornando-se uma festa muito dispendiosa, para uma colectividade que vive dos donativos.

O Rancho Folclórico da Trofa agradeceu, "a todos os que ajudaram, à câmara, à comunicação social, em especial ao Jornal Noticias da Trofa, que nos ajudou, estando aqui presente, ao passo que os outros, fizeram ouvidos moucos daquilo que nós pedimos", disse Alcino Paixão.