Cinco grupos folclóricos assinaram o protocolo com a autarquia para a atribuição de subsídios.

 A Câmara Municipal da Trofa atribuiu um total de 4800 euros a cinco grupos folclóricos do concelho, que na manhã de quarta-feira, celebraram um protocolo com a autarquia para a atribuição de subsídios referentes a 2013.

O Rancho Folclórico de S. Romão do Coronado (que recebeu 1200 euros), o Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado (1200), o Rancho do Divino Espírito Santo (600), o Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado (1200) e o Rancho Folclórico de Alvarelhos (600) reuniram-se com a presidente, Joana Lima, e vereador da Cultura, Assis Serra Neves, para selar o acordo de desenvolver atividades para a promoção da etnografia no concelho.

Fernando Monteiro, presidente do Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, afirmou ao NT e à TrofaTv que este subsídio “é sempre bom”. “Claro que temos que cumprir com o que o protocolo estipula, trazendo um grupo de fora ao Festival de Folclore, dando-lhe um jantar e retribuindo com uma visita à sua terra. Mesmo assim, a cultura trofense merece que a Câmara a apoie, porque nós também estamos disponíveis para ajudá-la. Por onde passamos, deixamos bem vincado o nome quer da nossa freguesia, quer da Trofa”, sublinhou. O valor do protocolo vai ajudar o grupo a cumprir com a agenda para este ano que, para o futuro, conta com 17 saídas.

Também Carlos Ferreira, presidente do Rancho Divino Espírito Santo, de S. Mamede do Coronado, afirmou que os 600 euros recebidos “vão ajudar muito”, até para organizar o próprio festival, marcado para 31 de agosto, no qual vão estar presentes “oito grupos de norte a sul de Portugal”. “Estamos ainda a ponderar uma proposta de ir à Lituânia. No entanto, os tempos estão difíceis e temos outro objetivo que é federarmo-nos”, contou.

Assis Serra Neves referiu que este protocolo foi assinado “à semelhança do que aconteceu no ano passado”. “É o apoio que podemos dar e, com ele, os grupos têm algumas responsabilidades, como a participação na ExpoTrofa, mas sobretudo no nosso festival, que decorre a 7 e 8 de setembro”, contou. O vereador informou ainda que a localização do festival “ainda não está definida”, até porque a autarquia vai esperar para ver “como evoluem as obras no Parque Nossa Senhora das Dores”. “Se não for possível realizá-lo lá, temos outros locais da cidade, como o Souto de Bairros, que são ótimos para o acolher”, sublinhou.