A manter as tradições há 49 anos, o Rancho Folclórico da Trofa comemorou mais um aniversário no dia dois de Março. Alcino Paixão, presidente da colectividade , em entrevista ao NT fez o balanço de mais um ano de actividade e prometeu "levar o rancho onde ele merece estar".

   O Festival de Folclore na Feira Anual da Trofa 2008 e um lanche/convívio marcaram as comemorações do 49º aniversário da Rancho Folclórico da Trofa.

"Este ano tivemos muita sorte, porque a chuva não nos visitou. E esta foi a Feira Grande mais completa dos últimos 50 anos, isso veio trazer muita gente ao nosso festival, era uma massa humana muito grande", lembrou Alcino Paixão, presidente do Rancho Folclórico da Trofa.

A actuar estiveram o Rancho de Fermentões, de Guimarães, o Grupo Folclórico de Carrêço, de Viana do Castelo e o Rancho Folclórico da Trofa, "os Ranchos convidados eram muito bons e dignificaram o nosso festival", afirmou o presidente.

Fundado por Diamantino Maia, Joaquim Paixão, Augusta Reis e Amélia Azevedo, o Rancho Folclórico da Trofa passou por momentos difíceis: "Depois passado algum tempo da sua fundação, os homens zangaram-se com as mulheres e as mulheres fundaram o Rancho das Lavradeiras da Trofa", contou. A partir daí o Rancho acabou por ficar "um pouco no anonimato", até que "a Dona Aida e o Senhor Manuel Lopes da Costa levantaram outra vez o rancho. Daí para cá as coisas têm-se mantido e em 2000 arranjaram o terreno e construíram a sede e formaram o museu", afirmou.

Agora com 44 elementos, homens e mulheres de várias idades, o Rancho conta com a participação de vários elementos jovens. "Estamos a tentar compôr um grupo jovem para que eles sejam os futuros directores e para que estas tradições nunca se percam. Eu penso que os Ranchos agora têm muita juventude que se interessa pelas tradições, e isso é bom", comentou Alcino Paixão.

Para além dos dançarinos, tocadores e cantores, têm "um bom ensaiador e todos, mesmo sem grande tempo, conseguem desdobrar-se para trabalhar para o Rancho, sabemos que podemos contar com todos", referiu.

O grande objectivo para 2008 será "levar o rancho onde ele merece estar", com a ajuda das pessoas do concelho, da Junta de Freguesia e da Câmara Municipal, "que nunca se negaram a ajudar o Rancho", asseverou.

Já visitaram vários locais no estrangeiro, principalmente em França e percorreram vários pontos do país, este ano contam ir a Vila Real de Santo António e já têm agendado para 2009 um Festival em Limoges, França, para além dos habituais Festivais da região nos quais sempre participam. Alcino Paixão lamentou ainda a visita cancelada à Estónia, "não pudemos, porque são muitos dias de viagem e as pessoas não podiam faltar ao emprego", afirmou.

"Vamos também tentar comprar uma carrinha para transportar os elementos do Rancho nas suas deslocações", concluiu.