Os concursos pecuários das raças Arouquesa, Minhota e Barrosã contaram com “os melhores exemplares”. Associações e criadores notaram a evolução da Feira Anual da Trofa.

 As raças Arouquesa, Minhota e Barrosã contaram com os “melhores exemplares” nos concursos pecuários da Feira Anual da Trofa. Este ano, as competições decorreram durante os três dias do certame e a raça Arouquesa foi a primeira a entrar “em campo”, na tarde de sexta-feira.

Segundo Fernando Moreira, presidente da ANCRA – Associação dos Criadores da Raça Arouquesa,

os animais a concurso foram “magníficos”, o que comprova os “27 anos” de “desenvolvimento e melhoramento da raça”, que cada vez mais vai tendo “melhores exemplares”. “Dada a distância”, o efetivo de animais presentes “não foi na sua totalidade”, mas, para o presidente, os que estiveram presentes “representaram bem a raça”, o que “orgulha muito” a associação.

Quanto ao alargamento de mais um dia para o concurso das raças autóctones, o presidente da ANCRA declarou que era “bom” não só para “a região”, como também para “os expositores e criadores de gado”, para a população local e para “as pessoas que vêm de fora”. “É neste tempo conturbado que fazemos esforços para transformar as adversidades em oportunidades e em expectativas futuras que o nosso povo bem precisa”, mencionou, concluindo que a organização “está de parabéns”.

Também Nélson Valente, vice-presidente da associação e criador de gado, elogiou a organização do certame, que tem “melhorado o espaço”. Quanto ao concurso, o criador estava “muito feliz” por mais uma vez estar a participar, pois “continua a ser um grande concurso” e são todos “bem acolhidos”.

O criador José António Ribolhos sentia-se “feliz” por ter ganho “três prémios”, dois primeiros e um quarto. “Gosto de tratar destes animais e tenho o melhor exemplar. Também a filha deste é a melhor que ainda aí”, contou.

O criador, que já há “uns anos” que vem à Feira Anual, mencionou que esta está “cada vez melhor”, mesmo na qualidade dos animais participantes.

Como já vendo sendo habitual, a manhã de sábado foi dedicada à raça Minhota. Este ano, o concurso contou com a presença do secretário de Estado, Francisco Gomes da Silva, que entregou o 1º lugar ao criador do melhor exemplar de novilhos inteiros e de vacas após o primeiro parto.

Para Teresa Moreira, presidente da APACRA – Associação Portuguesa dos Criadores de Bovinos da Raça Minhota, estes são “animais excelentes”, “com dupla e até tripla aptidão”: produção de carne, leite e trabalho, apesar de nos dias de hoje ser “pouco utilizado no trabalho”.

Para a presidente da APACRA, os animais a concurso eram “geneticamente muito bons”, tendo notado “uma diferença muito grande em relação aos anos anteriores”. “É de louvar o sacrifício que os criadores fazem para suportar as despesas para conseguirem animais com este porte. Não imagina as quantidades das rações e de comida que um animal destes já comeu para estar neste ponto”, enalteceu.

Quanto ao certame, Teresa Moreira denotou a sua evolução, reconhecendo que tem sido feito “um esforço muito grande” por parte da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado e da Comissão de Agricultores “em melhorá-lo”. “Têm dado mais dignidade ao espaço para exposição de animais e para a realização do concurso. Mesmo estando na crise em que estamos, tem-se notado uma grande evolução e, contrariamente àquilo que acontece, a Trofa vai mostrando bastante dignidade”, concluiu.

“Contente” com este certame estava também António Sousa, criador de Lousada, que arrecadou “dois primeiros lugares e um terceiro”. “É uma feira bem organizada, com bons prémios e um gado da raça que não tem paralelo”, denotou.

O último dia do certame ficou destinado à raça Barrosã, que, segundo José Leite, secretário Técnico do Livro Genealógico da Raça Bovina Barrosã, contou com “os melhores animais”, no que diz respeito aos bois de trabalho, às vacas, às novilhas e aos touros. Tendo sido realizado no domingo, o concurso contou com “uma maior assistência” relativamente a anos anteriores. “Um concurso de elevado nível, com grande participação e grande participação do público também. É para nós salutar ver as pessoas a baterem palmas, porque de facto valeu a pena e foi um concurso que me deixou completamente realizado”, frisou.

Para José Leite, a Feira Anual da Trofa, bem como a Agro, em Braga, são as que têm “as melhores condições”. No caso da Trofa, dá para trabalhar com o “grande apoio” da Junta de Freguesia e da Comissão de Agricultores. “Vemos que há muito trabalho por trás e depois há muita entrega e empenho destas pessoas para que este evento corra como sempre correu que é de uma maneira maravilhosa”, finalizou.

No balanço dos concursos pecuários das raças autóctones, António Sá Padrão, elemento da Comissão de Agricultores, estava satisfeito com os “muitos exemplares” presentes. Este ano as competições decorreram num só local, o que para António Sá Padrão “melhorou” a realização das mesmas, uma vez que havia “mais espaço” o que trouxe “mais ânimo às associações”. “Foi bom, teve mais público, que encheu o nosso recinto, onde decorreu a exposição de gado e onde se entregou os prémios”, salientou.