Marco António Costa é vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia e presidente da Assembleia Distrital do PSD/Porto. Profundo conhecedor do partido confessa, em entrevista ao O Notícias da Trofa, não ter dúvidas que no próximo dia 28 os militantes sociais-democratas vão dar a vitória a Luís Filipe Menezes. Nesta entrevista, Marco António Costa aborda também o momento actual do PSD/Trofa, criticando a falta de gratidão do presidente da Câmara, para com Luís Filipe Menezes. "A troco de lugar o Dr Bernardino Vasconcelos troca de amizades", denuncia Marco António Costa.

  O Notícias da Trofa (NT) – O Presidente da Câmara da Trofa, Dr. Bernardino Vasconcelos, tem afirmado pelo concelho que o Dr. Luís Filipe Menezes não foi solidário com a Trofa na questão do Metro. Concorda com esta visão?

Marco António Costa (MC) – É completamente falso. É público que o Dr. Luís Filipe Menezes, e eu próprio, sempre  fomos solidários nessa questão. Existem muitos depoimentos na Comunicação Social que provam que o Dr. Luís Filipe Menezes sempre defendeu, junto dos órgãos de soberania, a construção do Metro até à Trofa. Dizer o contrário é mentir aos trofenses.

NT – O Dr. Bernardino Vasconcelos sempre foi um acérrimo defensor das políticas defendidas pelo Dr. Luís Filipe Menezes. Agora optou por apoiar o Dr. Marques Mendes. O que se passou para esta mudança tão radical?

MC – A população da Trofa sabe muito bem que o Dr. Luís Filipe Menezes ajudou o Dr. Bernardino Vasconcelos a construir os alicerces da autarquia até porque não possuía qualquer experiência de gestão autárquica. Esteve sempre ao lado do Dr. Bernardino Vasconcelos nos maus momentos e nunca o desamparou. Daí a sua posição nestas eleições ter sido considerada, no seio na maioria dos militantes da Distrital do PSD do Porto, como "uma facada nas costas ao Dr. Luís Filipe Menezes". Mas há pessoas assim… a troco de um lugar troca de amizades como se troca de uma camisa. Por isso não lhe chamo ingratidão mas sim sofreguidão.

NT – Caso o Dr. Luís Filipe Menezes seja o próximo líder do PSD o Dr. Bernardino Vasconcelos terá condições políticas para se candidatar de novo à presidência da Câmara da Trofa?

MC – O Dr. Luís Filipe Menezes vai ser o próximo líder do PSD, a partir da próxima sexta-feira. No dia seguinte vai começar já a trabalhar para que Portugal mude de rumo. Para além de pretender derrotar o PS em 2009, o Dr. Luís Filipe Menezes irá propor um conjunto de medidas, tanto a nível do partido, como a nível nacional, para que o povo português possa melhorar a sua qualidade de vida em todos os vectores. A Trofa, como é óbvio, irá merecer da nossa parte uma atenção muito especial. A escolha do candidato à Câmara será feita na base dos princípios que defendemos.

NT – Que razões aponta para a votação nas eleições directas no Dr. Luís Filipe Menezes?

MC – O que os militantes social-democratas devem ter em conta no momento da escolha é quem de entre os dois candidatos tem capacidade para derrotar um Governo que engana os portugueses, que prometeu e faz diferente, que paulatinamente afasta Portugal da média do crescimento europeu, que abandona o interior do País, afronta os funcionários públicos, ataca violentamente e insulta professores, juízes e médicos, que é incapaz de combater eficazmente o desemprego e que, principalmente, se mostra absolutamente incapaz de inculcar sentimentos de confiança e optimismo na nossa sociedade, fundamentais para o decisivo arranque de um retoma económica que relance o desenvolvimento de Portugal. Pois, apesar destas premissas serem genericamente reconhecidas, os portugueses continuam, nas sondagens e estudos de opinião, a dar preferência eleitoral ao Partido Socialista…

NT – Qual a leitura que faz das sondagens que, dão a vitoria ao Dr. Luis Filipe Menezes?

MC – É um facto e não vale a pena os apoiantes do Dr. Marques Mendes virem agora dizer que "as sondagens valem o que valem…", porque elas valem bastante. Entre actos eleitorais, o instrumento político de avaliação de políticas, de tendências de opinião ou de intenções é a sondagem/estudo de opinião. Não há outro, seja na vida política ou na dos negócios. É a ele que partidos, candidatos ou empresas recorrem para se orientarem e definirem estratégias. A verdade é que os portugueses não vêem alternativa no actual PSD. Fazem saber todos os meses, todas as semanas, em todas as auscultações que Marques Mendes não lhes serve para derrotar José Sócrates. Não vale a pena insistir.

NT – O que tem faltado ao PSD para inverter essa situação?

MC – O actual líder do partido, com todas as qualidades que possa ter, não tem apresentado um discurso mobilizador. As suas propostas, alternativas à governação socialista, não são, geralmente, convincentes e muito menos galvanizadoras. No Parlamento, apesar da "experiência" que os seus apoiantes pregam, sai regularmente derrotado. E quanto a carisma estamos conversados… Entre os militantes, que diariamente transportam o nome do PSD e o defendem vigorosa e entusiasticamente sem esperar benesses ou lugares, a maioria não está com ele, como se os deixarem, vão demonstrar no próximo dia 28. E vão fazê-lo votando no Dr. Luís Filipe Menezes.

NT – Que esperança trará o Dr. Luís Filipe Menezes para o futuro do PSD?

MC – A esperança de um militante, autarca, que tem obra feita e reconhecida, não num pequeno município do interior mas na terceira Câmara do País (320 mil habitantes, mais do que a toda a Região Autónoma da Madeira). Vila Nova de Gaia era um território desqualificado e subdesenvolvido. Hoje, graças ao trabalho desenvolvido pelo Dr. Luís Filipe Menezes, tornou-se num espaço dinâmico, moderno e ambientalmente exemplar. É um pólo de atracção de investimento e população que procura a sua qualidade de vida. Em termos políticos, o Dr. Luís Filipe Menezes tem propostas inovadoras para os portugueses e também para o partido.

NT – O Dr. Marques Mendes aponta sempre contradições de discurso e de opinião do Dr. Luís Filipe Menezes. Como encara estes "ataques"?

MC – Não vale a pena ir por aí, porque se percebe facilmente que são retiradas de contextos históricos do momento, nunca tendo em conta as circunstâncias políticas em que foram tomadas. A propósito, o PSD foi sempre contra a OTA? E Cavaco Silva ou Durão Barroso não têm uma posição de prudência semelhante à do Dr. Luís Filipe Menezes face ao referendo europeu? E qual é a posição do Dr. Marques Mendes quanto aos deputados "pára-quedistas"? A campanha eleitoral em Braga nas últimas legislativas, com resultados excelentes, diga-se, foi ou não um serviço feito ao partido? Vale, agora, a pena vir criticar essa atitude de abnegação e de humildade por parte do Dr. Luís Filipe Menezes, feita a pedido da direcção de então do partido? É verdade que é mais fácil discutir ou mesmo procurar contradições nas opiniões e nos discursos do Dr. Luís Filipe Menezes do que nos do Dr. Marques Mendes. Por uma razão muito simples: o primeiro tem pensamento político conhecido, exprime-o semanalmente em artigos de opinião, vai a debates e fóruns de opinião, tem um blog… Marques Mendes cala-se, repete banalidades e frases feitas. É a diferença entre a possibilidade de o PSD voltar ao poder e dar uma nova esperança a Portugal e o cinzentismo de uma liderança condenada à derrota e em que infelizmente os mais calculistas, os que esperam assim manter lugares ou defender os seus negócios apostam.