A importância da família no desenvolvimento das crianças e o papel dos técnicos de acção social serviram de base para o primeiro encontro “Crescer em Família”, promovido pelo CAFAP da ASAS.

De bloco de apontamentos e caneta na mão, dezenas de técnicos de Acção Social participaram no primeiro encontro “Crescer em Família”, promovido pelo Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP) da Associação de Solidariedade e Acção Social de Santo Tirso (ASAS).

Na manhã do dia 1 de Outubro, ainda antes de dar início aos trabalhos no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, o presidente da ASAS, José Pinto, destacou a importância da iniciativa: “Entendemos por bem fazer este encontro para partilhar ideias, pois os temas estão relacionados com a prevenção e o acompanhamento de famílias”. “Infelizmente, cada vez mais as famílias estão desestruturadas e temos de fazer um alerta para que instituições e técnicos estejam preparados, porque os tempos que se aproximam não vão ser fáceis”, acrescentou.

Ao longo de todo o dia, os técnicos aprenderam a avaliar famílias em situação de risco e as diferentes posições que devem adoptar consoante a realidade que encontrarem. Tudo para que a criança esteja sempre em primeiro lugar. José Pinto garantiu que “a ASAS está sempre atenta” e que este tipo de encontro é “para continuar”.

A Câmara Municipal da Trofa associou-se à iniciativa e Joana Lima, presidente da autarquia, elogiou o trabalho desenvolvido pela associação, dando “os parabéns à grande instituição que é a ASAS, pelo facto de se mostrar sensível aos valores da família”. A edil considera que a associação “é uma das instituições mais importantes do concelho”, tendo vindo a desenvolver um “trabalho notável”, sobretudo “com as crianças mais novas”.

Na sessão de abertura dos trabalhos marcou também presença o director adjunto do Centro Distrital de Segurança Social do Porto, Luís Vale, em representação do presidente do Instituto da Segurança Social. Ao NT/TrofaTv, sublinhou o papel das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) no apoio às famílias em situações de risco: “Em Portugal temos uma rede de instituições que desenvolvem várias acções junto de crianças, idosos e pessoas portadoras de deficiência, disponibilizando equipamentos sociais”. “Obviamente que a Segurança Social participa financeiramente na construção dessas infra-estruturas”, atestou.