PS promoveu conferências que visaram “discutir o desenvolvimento da Trofa”. Esta iniciativa, que a candidata à Câmara Municipal Joana Lima sublinhou ser “uma nova forma de fazer política”, reuniu vários ilustres que discutiram temas como a saúde, educação, juventude, economia e acessibilidades. Na plateia, outras individualidades manifestaram o apoio à socialista.

O concelho “precisa de uma nova energia”. José Vila Nova, presidente do Conselho de Administração do Hospital da Trofa, aproveitou o slogan da candidatura do PS Trofa para manifestar, como “cidadão independente”, o total apoio à candidatura de Joana Lima à Câmara Municipal da Trofa.

Este foi um dos pontos de destaque das Conferências do PS Trofa, realizadas no passado sábado no Salão Nobre da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, que tinham como objectivo discutir temas importantes para o bom exercício do poder autárquico.

conferencia-ps

Esta iniciativa, que a candidata sublinhou ser “uma nova forma de fazer política”, reuniu vários ilustres que discutiram temas como a saúde, educação, juventude, economia e acessibilidades. Na plateia, outras individualidades do concelho não deixaram de manifestar o apoio à candidatura de Joana Lima à Câmara Municipal.

O socialista Manuel Pizarro, que exerce funções de Secretário de Estado da Saúde, foi uma das individualidades que marcaram esta iniciativa e, ao NT/TrofaTv, afirmou que o concelho só “vai nascer verdadeiramente” quando Joana Lima vencer as eleições autárquicas. “Ao longo destes dez anos que grande diferença aconteceu na Trofa? A Trofa está ausente da Área Metropolitana, a Trofa não reclama, aceitou tranquilamente que na primeira fase do metro as obras tenham sido substituídas por obras de requalificação de outros municípios”, referiu.

O socialista, que foi um dos oradores das conferências na área da saúde, afirmou ainda que a Trofa “precisa de uma nova ambição”, sublinhando que a ideia de ter um município “não é pagar salários a vereadores”.

“Eu acho que a qualidade deste debate revela que a qualidade da candidatura socialista é essa ambição de uma nova qualidade de vida para a Trofa assente no desenvolvimento da cultura, saúde e educação, no desenvolvimento daquilo que são as políticas sociais que as pessoas necessitam”, acrescentou.

Este debate foi, segundo Joana Lima, um exemplo do que será o exercício autárquico do Partido Socialista na autarquia: “aberto à população”.

A candidata sublinhou que estas conferências são mais do que uma iniciativa de campanha eleitoral, assumindo-se também como uma “estratégia para o futuro do concelho da Trofa”.

“Com esta iniciativa quisemos dizer que é possível a mudança e por isso estamos cá para dar o nosso contributo para que os trofenses acreditem que a mudança está no caminho. Quisemos fazer estas conferências com pessoas conhecidas e com conhecimentos e know-hows inquestionáveis no nosso panorama nacional. Quiseram prestar este contributo à candidatura, mas sobretudo aos trofenses”, afirmou.

Segundo Joana Lima, a Trofa “tem potencial que não está a ser desenvolvido” e um tecido empresarial “que quase tem substituído o poder local”. Para a candidata é premente “criar incentivos” ao sector privado, para que não se assista à fuga das empresas do concelho. E por isso garante que “se a Joana Lima for eleita presidente da Câmara Municipal, com a equipa capaz, responsável, rigorosa e competente, vai de certeza desenvolver o concelho de uma forma equilibrada e com o desenvolvimento para a juventude e para o futuro”.

Considerando que a juventude trofense “tem uma capacidade superior ao outros concelhos”, a socialista afirmou que há que aproveitar “as suas ideias, porque ela é cada vez mais exigente e quer que a Trofa desenvolva com uma nova cara”.

Para além de Manuel Pizarro, na conferência estiveram presentes individualidades como Isabel Pires de Lima, ex-ministra da Cultura, António Leite, vice-presidente da Direcção Regional de Educação do Norte, Ricardo Bexiga, elemento do Conselho de Administração da CP e Nuno Cardoso, ex-presidente da Câmara Municipal do Porto.

 

Joana Lima responde a Modesto Torres e Bernardino Vasconcelos

As declarações foram feitas na iniciativa do BikeTour, da JSD, em S. Mamede do Coronado. Modesto Torres, candidato à Junta de Freguesia pelo PSD, acusou Joana Lima de fazer uma campanha de “arruaceirismo”, enquanto Bernardino Vasconcelos afirmou que pessoas lhe comunicaram que o PS tentou “mobilizar pessoas para fazer cortes de estrada”, em S. Romão do Coronado.

A estas críticas Joana Lima referiu que “a primeira resposta a dar é que no dia 11 de Outubro quem vai responder são os trofenses e mamedenses”. “Em segundo lugar é com iniciativas destas (conferências) que eu posso dizer ao senhor presidente da Câmara e ao senhor presidente da Junta e candidatos em simultâneo que nós respondemos à arruaceirice”, referiu.

A candidata socialista foi mais longe e afirmou, relativamente à acusação de o PS ter incitado ao corte de estrada, que “se ele voltar a dizer isso” tem “autoridade” para dizer que “o senhor presidente da Câmara é um mentiroso, que não respeita a campanha política dos outros”.

“Quero que me traga um trofense ou um romanense que diga que a candidatura do Partido Socialista instigou a população a fazer o corte de estrada. O Partido Socialista faz é iniciativas deste tipo (conferências) com este nível, com esta categoria, para dar o seu contributo à Trofa e aos trofenses e jamais alguém me ouviu dizer uma palavra que roce a malcriadez como ele diz ou que diga que são atitudes arruaceiras”, afirmou.

Joana Lima referiu ainda que as declarações dos candidatos “provam o desespero da parte deles e a falta de confiança por parte dos trofenses e por isso utilizam essas palavras para se vitimizar e acusar as pessoas”.

“Eu posso ser de origem humilde, mas tenho respeito e o senhor presidente da Câmara que tanto se vangloria de ser de uma classe superior que com essa forma de estar não é assim que se mente aos trofenses nem se aplicam palavras de arruaceirismo quando sabe que é mentira”, frisou.