Com mais de 50 atletas federados de basquetebol, a Associação Cultural e Recreativa Vigorosa pretende tornar a modalidade “auto-sustentável”. Para além dos pavilhões desportivos da EB 2,3 da Trofa e de S. Romão do Coronado, a associação quer criar mais um pólo de mini-basquete no Colégio da Trofa e no futuro um quarto em Alvarelhos.

Os mais de 50 atletas federados continuam a cada ano que passa a elevar a modalidade de basquetebol da Associação Cultural e Recreativa Vigorosa. No pavilhão desportivo da EB 2,3 da Trofa já decorrem os treinos para mais uma época que já começou, para a qual foram já traçados “objectivos mais ambiciosos”, de acordo com Paulo Queirós, vice-presidente da ACR Vigorosa.

Com mais de 50 atletas federados, integrados em cinco escalões, e com nove treinadores, o objectivo é “tornar a modalidade auto-sustentável” e para isso conta também a criação dos pólos de mini-basquete. “Estamos a prever criar três pólos de mini-basquete, um no pavilhão da EB 2,3 Trofa, um no Colégio da Trofa cuja direcção já acolheu com entusiasmo a proposta e um no pavilhão de S. Romão”, avançou Paulo Queirós. A ACR Vigorosa pretende assim “alargar mais o basquetebol, com um possível quarto pólo em Alvarelhos”, mas o vice-presidente reconhece que isso “é algo mais ambicioso”.

basquetebol-vigorosa-1

“Somos um clube de bairro que começou de baixo para cima e estamos a ultrapassar os objectivos a que nos propusemos”, garante Queirós, que não deixou de lembrar como o projecto nasceu e se desenvolveu desde há cinco anos. “Este é um projecto que nasceu de uma brincadeira em que um grupo de meninas veio apresentar o projecto de se fazer uma equipa de basquetebol que, na altura com pouco entusiasmo, acabámos por apadrinhar. O bichinho foi tomando gosto, estivemos dois anos com essa equipa de sub-16 feminino e começámos a sentir a pressão de outros miúdos que também pretendiam praticar basquetebol”, recordou. Os treinos foram abertos a esses rapazes que rapidamente formaram duas equipas. Hoje Paulo Queirós orgulha-se da evolução conseguida e sublinha a importância de praticar modalidades para além do futebol. “Achamos que qualquer criança e jovem até aos 14 anos devem experimentar mais que uma modalidade, porque muitas vezes, não sendo os melhores no futebol, poderão ser melhores no basquetebol, no voleibol ou andebol”, considerou.

Leandro Pereira é a prova disso que já há cinco anos faz pontaria ao cesto na ACR Vigorosa. Sub- capitão da equipa de sub-16, o jovem garante que já marcou muitos cestos e, confiante do seu talento, considera que o basquetebol é a modalidade para a qual “tem mais jeito”. No início marcar cestos no aro era para Leandro difícil, mas agora “com a prática é muito mais fácil”.

Já Fábio Couto, capitão dos sub-16, ingressou na ACR Vigorosa há três anos, na altura, para “experimentar a modalidade”. Depois começou a gostar, decidiu continuar e hoje garante que é melhor que o futebol. “É muito mais rápido, utilizamos as mãos, conseguimos tornar o jogo muito mais rápido que o futebol e acho mais interessante”, afirmou.

Para os interessados em integrar a modalidade e basquetebol da ACR Vigorosa, as inscrições estão abertas, como explicou ao NT/TrofaTv Pedro Moreira, coordenador da associação na secção do basquetebol. “Serão distribuídos na próxima semana alguns folhetos pela Trofa, para além da divulgação que a rádio e televisão têm feito. Os interessados podem contactar-me a mim ou ao Paulo Queirós, ou procurar as instalações do clube ou os locais de treino de segunda a sexta-feira feira, exceptuando às quartas”, informou. De acordo com o coordenador, a preparação da época “está a decorrer com toda a normalidade” para os cinco escalões abrangidos: mini 12, sub-14 masculino, sub-14 feminino e sub-16 masculino.