Ruas por pavimentar, esgotos a céu aberto e espaços deixados ao abandono há vários anos, foram alguns dos problemas denunciados pelo Partido Socialista, que visitou este sábado a freguesia de S. Mamede do Coronado. José Ferreira, secretário coordenador da secção de S Mamede defendeu a igualdade para os cerca de seis mil habitantes "ao nível de acessibilidades, de condições e infra-estruturas".

 Com o novo secretariado eleito, o Partido Socialista "voltou à carga" e visitou mais uma freguesia do concelho da Trofa. O périplo iniciado em Outubro pelo partido em S. Martinho de Bougado, passou desta vez por S. Mamede do Coronado, onde esteve Joana Lima, líder do PS Trofa e José Ferreira, secretário coordenador da freguesia, entre outros membros socialistas.

O objectivo desta visita era "conhecer o S. Mamede profundo", explicou, José Ferreira. A Travessa da Pousadela, que liga o lugar de Casal ao lugar de Louredo, onde "passam apenas pessoas a pé e mal" e o lugar de Casal, onde existe um lavadouro público "que está abandonado e em ruínas, merecia uma intervenção da Junta de freguesia".

No largo de Vilar de Lila "completamente abandonado", os socialistas sugeriram a criação de um jardim que torne a zona mais "aprazível". "As pessoas naquela localidade não podem ter uma janela aberta devido ao pó no verão, ou à lama no inverno. O local é um depósito de inertes, um depósito de lixo, um parque de estacionamento de pesados, causa transtorno e podia ser uma zona embelezada", acrescentou José Ferreira.

O cemitério da freguesia também foi um dos locais visitados pelos socialistas. Apesar de considerarem as obras já levadas a cabo como "necessárias", José Ferreira frisou o facto de estarem "inacabadas" e de ainda faltar uma Casa Mortuária. "Esta é a obra mais desejada na nossa freguesia e passamos a ser das únicas freguesia do concelho que não tem este tipo de infra-estrutura", comentou.

"Podia ser o ex-libris da freguesia", o último local visitado pelos membros do PS Trofa, mas segundo José Ferreira "o largo do Espírito Santo foi mal projectado e os moradores estão a padecer desse mau projecto". Joana Lima lamentou o facto "obra estar mal concebida", pois "podia ter sido a obra do século para S. Mamede". A líder do PS Trofa lembrou "os divisores do passeio para a estrada, que são uns ferros com cerca de 60 centímetros, arredondados em cima, mas com uma largura de cerca de 1,5 centímetros que a meu ver são feios e muito perigosos para os peões. Há modelos que não são mais caros do que aqueles, mas para além da beleza temos de ter em conta a segurança pública". E referiu também a saída do parque, pois por ter dois sentidos e a Rua ser um pouco estreita "não é fácil passar ali". A falta de casas de banho públicas da freguesia, "que constam no projecto para este local mas ainda não foram feitas", foram também apontadas pelos socialistas.

"Quem ouve o nosso presidente da Junta falar, S. Mamede é uma freguesia paradisíaca, onde tudo existe e nada falta, mas no fundo isto não é assim", sublinhou José Ferreira que defendeu a igualdade para os cerca de seis mil habitantes "a nível de acessibilidades, de condições e infra-estruturas".

Para o secretário coordenador estas visitas pretendem ser uma "crítica construtiva" para "mostrar que tem havido uma certa tendência para ocultar na freguesia. Porque se passarmos na freguesia nos lugares de relevo, as coisas parecem outras, mas a freguesia é mais extensa é mais do que apenas o centro e a periferia está mal servida", afirmou.

Joana Lima e os restantes membros do Partido Socialista pretendem agora denunciar estas "falhas" na Assembleia Municipal e na Assembleia de Freguesia para que os habitantes de S.Mamede tenham todos a mesma qualidade de vida".