A sede de campanha do Partido Socialista da Trofa foi o local escolhido para apresentar, no sábado, os candidatos às juntas de freguesia do concelho que, juntos, têm como objectivo “devolver a Trofa aos trofenses”.

“Proximidade com os cidadãos”. Esta é a característica apontada pela presidente da concelhia da Trofa do PS, Joana Lima, para definir os cabeças de lista do Partido Socialista às juntas de freguesia do concelho.

Actual líder do executivo de S. Martinho de Bougado, José Sá recandidata-se para continuar a apoiar o desenvolvimento da freguesia. “Ao fim de uma experiência de quatro anos vi que tinha condições e que era necessário recandidatar-me, porque esta terra tem que ser futuramente apoiada ao seu desenvolvimento”, afirmou ao NT/TrofaTv. “Empenho e dedicação” são para o socialista as exigências para dar continuidade ao trabalho já feito e iniciar outros que, segundo José Sá, se enquadram num “projecto global de desenvolvimento da freguesia”, onde se encontra o “melhoramento das redes viárias, da requalificação de toda a área envolvente à Freguesia de S. Martinho de Bougado” e outros projectos de “restauro”. Melhorar a qualidade do atendimento ao público é outro dos grandes projectos do candidato, que adiantou que pela Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado passam entre “150 a 200 pessoas diárias”.

candidatos-ps

“Dar um novo rumo a Santiago de Bougado” é o objectivo do jovem candidato Filipe Portela, de 24 anos, que resolveu “entrar numa energia diferente” para desenvolver a freguesia que, segundo o candidato, neste momento “está esquecida em termos de cidade”. Filipe Portela defende mais apoio social à terceira idade e pessoas carenciadas e considera prioritário “requalificar o Souto de Santiago de Bougado, junto à Igreja Matriz e criar um centro na freguesia”. “Depois a parte do centro de dia e do complexo mortuário tem que ser vista e analisada por todas as pessoas”, referiu, lembrando que ao nível da juventude “a parte da habitação é muito importante para segurar as famílias em Santiago de Bougado, que estão a fugir para freguesias e concelhos vizinhos”.

Por sua vez, Adriano Teixeira é a escolha para Alvarelhos, para quem a freguesia precisa de um presidente de junta “mais activo e próximo da população”. Para o socialista alvarelhense é fulcral a intervenção nas estradas da freguesia, na medida em que as pessoas se debatem com “estradas estranguladas, onde é preciso fazer marcha-atrás de 100 ou 200 metros para passar um carro pelo outro, redes viárias que estão em péssimo estado e a falta de sinalização de orientação para as pessoas que visitam a freguesia”. “Alvarelhos precisa de um presidente que esteja à altura de dinamizar um pouco mais a freguesia, não são só fazer grandes obras, mas outras obras que podem levar a bom porto a sua população, para que elas quando saírem de casa se sintam à vontade, num sítio seguro, cómodo e eficaz para a sua população”, defendeu.

Já para Bernardino Maia, que lidera o executivo de Guidões, o objectivo da recandidatura é concluir as obras iniciadas, como a Capela Mortuária que se encontra em obras, e fazer ainda mais pela freguesia. “Tenho a sede de junta já com o terreno delineado, e para além de acessibilidades que faltam e de algo para os mais velhos, temos de pensar também numa creche”, adiantou o socialista.

Pelo “progresso muito grande” que se tem verificado, Bernardino Maia recandidata-se também para “não ver a freguesia parada”. “É um mandato que eu vou fazer com muito mais vontade, mais afinco e disponibilidade, porque queria sair pela porta grande e quando tivesse que deixar o cargo da Junta queria poder estar orgulhoso daquilo que fiz e ter os guidoenses também orgulhosos pela freguesia”, garantiu.

Rui Damasceno é o candidato a S. Romão do Coronado, que defende um projecto global de requalificação para a freguesia. “Estar mais perto da população e resolver os seus problemas” é o seu objectivo, a somar à requalificação do trânsito, ao fomento de actividades culturais, desportivas e de cidadania dirigidas aos jovens e ao apoio social da terceira idade igual para todos. “S. Romão precisa de saneamento em toda a freguesia, precisamos de alcatroar estradas que são um perigo constante, vejo dezenas de pessoas todos os dias a andar a pé que não têm o mínimo de condições, temos que criar lazer, parques verdes, temos sítios abandonados que podem ser reconstruídos”, enumerou o candidato romanense. “Temos de pôr as nossas ruas com sentidos únicos, temos muitas ruas em que não passam carros, S. Romão precisa de algumas rotundas, na Igreja é fundamental uma”, adiantou ainda.

Já para S. Mamede do Coronado, José Ferreira defende mais equipamentos e infra-estruturas dignas de uma Vila do Coronado. Mais medidas sociais para a juventude e a terceira idade, assim como a intervenção em todo o parque viário da freguesia, “quer nas acessibilidades, quer na postura de trânsito” são projectos do candidato mamedense. “Já deveríamos estar noutro patamar, a discutir outro tipo de equipamentos, outro tipo de infra-estruturas e exigências no que respeita à qualidade de vida dos mamedenses”, sublinhou, recordando que uma criança de 12 anos que viva em S. Mamede “não tem uma única recordação de ter andado num parque infantil”.

Acabar com o problema da poluição em Covelas é o projecto prioritário de Domingos Faria, que pretende “deixar para segundo plano tudo o que seja betão e asfalto e passar para primeiro as questões ambientais”. O objectivo do covelense é “dentro de três, quatro anos pôr a Ribeira de Covelas como alguém já a conheceu, a correr água limpa”. “Em segundo plano passa pela construção da sede de Junta e a pedido nosso terá um espaço de convívio para a terceira idade que consideramos fundamental, porque nunca ninguém fez nada por eles”, considerou, acrescentando que pretende também “o alargamento do cemitério, que já deveria ter há mais de uma década outras dimensões que não tem”. Repavimentar a rua junto à Igreja e construir um ringue desportivo para a juventude são ainda outros dos objectivos de Domingos Faria.

Todos defendem os seus projectos próprios para cada freguesia, mas em todos eles há uma característica que o Partido Socialista teve em conta para a escolha dos candidatos. A garantia é de Joana Lima, presidente da Comissão Política Concelhia do PS, que referiu que a candidatura do Partido Socialista, “quer à Câmara, quer à Assembleia Municipal, quer às freguesias, protagoniza uma candidatura popular, em que o grande objectivo é devolver a Trofa aos trofenses”. “As características encontradas nos candidatos vêm ao encontro do perfil traçado pelo PS para podermos tirar os melhores resultados, ganhar as Juntas e a Câmara, para que a Trofa possa progredir e ocupar o seu espaço”, assegurou.

O PS deverá apresentar nos próximos dias o candidato à Junta de Freguesia do Muro.