Os dois primeiros núcleos territoriais de combate à toxicodependência existentes em Portugal, foram implementados hoje em Santo Tirso e Vila das Aves, disse à Lusa fonte ligada ao processo.       “São os primeiros dois Núcleos Territoriais de Respostas Integradas do Instituto da Droga e Toxicodependências a ser criados em Portugal”, afirmou Júlio Roque, director do Centro de Respostas Integradas da área Porto Ocidental.

    Em colaboração com dez instituições locais, incluindo dois centros de saúde, a Câmara de Santo Tirso assinou, esta tarde, o acordo de colaboração entre as entidades que “conhecem” os toxicodependentes e os organismos onde será efectuado o “tratamento”.

    Os Núcleos Territoriais são compostos, um pela zona urbana de Santo Tirso, e outro, pela zona urbana de Vila das Aves.

    “Pela primeira vez, os 132 toxicodependentes sinalizados em Santo Tirso vão ter consultas nos centros de saúde da área onde vivem e vão receber ajuda no local onde estão”, referiu Castro Fernandes, o presidente da autarquia tirsense.

    Em Portugal vão ser criados cerca de 50 Núcleos Territoriais, 22 na zona Norte.

    “Pretendemos aproximar os cidadãos das respostas”, sustentou Júlio Roque.

    O concelho de Santo Tirso foi pioneiro no tratamento clínico dos toxicodependentes residentes na localidade.

    Em 2003 foi criado o Plano de Prevenção Primária das Toxicodependências, seguido, em 2005, da criação de equipas de rua e da abertura de um gabinete de apoio aos toxicodependentes.

    Desde essa data que a Câmara de Santo Tirso paga o aluguer de carrinhas, o transporte e o acompanhamento médico dos consumidores de droga que mostravam vontade em efectuar tratamento.

    “Primeiro, levávamos ao Centro de Apoio aos Toxicodependentes da Boavista, no Porto, vinte pessoas. Com o tempo, o número foi aumentando e agora já são noventa”, revelou à Lusa Castro Fernandes.

    Com os Núcleos Territoriais, os utentes vão deixar de receber tratamento no Porto e passar a ser clinicamente tratados na área de residência.