Secção de Ciclismo do Atlético Clube Bougadense e Associação de Ciclismo do Porto organizaram o 1º Prémio XCO do ACB, na manhã de domingo, dia 2 de março.

A chuva que caiu durante toda a semana passada, tornou difícil o percurso do primeiro prémio do Atlético Clube Bougadense. A competição, a contar para a segunda jornada do Campeonato Regional do Porto, apresentou um percurso enlameado e com muita água, tornando a prova muito dura.

Na prova rainha, a categoria de elite, saiu vencedor o campeão nacional Mário Costa, que percorreu os 20 quilómetros em 56 minutos e 26 segundos. O ciclista referiu que participou nesta prova para se “preparar para as primeiras provas internacionais” e para fazer “alguma preparação específica”. Quanto à prova, declarou que o percurso foi “pouco técnico, mas muito exigente pelas condições climatéricas que se fizeram sentir no últimos dias”, tendo a “particularidade de muita lama, muita água e muita dureza”. O campeão nacional referiu que esta é “uma prova que pode evoluir”, uma vez que “o concelho da Trofa tem trilhos fantásticos”. “Muitas vezes passo por cá a treinar e só têm que trabalhar, têm aqui condições para fazer uma prova de melhor nível”, acrescentou.

Na categoria de júnior, André Moreira sagrou-se vencedor ao percorrer os 16 quilómetros em 47 minutos e 27 segundos, seguido de Diogo Vigo e João Antunes. André Moreira asseverou que esta foi “uma prova muito interessante” e que “endureceu muito” por causa da “lama” e de “um charco de água”, o que “não dava para impor um ritmo certinho”. “Depois esta parte em alcatrão e em paralelo dava para impor um ritmo mais forte para nós conseguirmos distanciar ou controlar a distância para o nosso adversário”, referiu, mencionando que aprova “devia ter mais uma descida longa e uma subida mais longa e um bocadinho mais técnica, porque de resto estava num nível muito bom para uma prova regional”.

Em Master 30, Rogério Matos foi o primeiro em completar a prova de 16 quilómetros, com o tempo de 49 minutos e 40 segundos, seguido de Aurélio Reis e Carlos Monteiro. O ciclista sublinhou que a prova foi “duríssima” e que “as condições climatéricas tornaram o percurso, que tecnicamente era facílimo, muito duro e exigente”, com “muita água, muita lama e o terreno muito pesado”. Rogério Matos acredita que “a zona tem potencial para evoluir um pouco mais”, tendo reparado que “nas imediações há bastantes condições para fazer provas com todas as condições para esta modalidade”.

Na categoria de Cadete, João Almeida foi o mais rápido a completar o percurso de 12 quilómetros, com o tempo de 36 minutos e 23 segundos, seguido de João Carvalho e João Rocha. O vencedor denotou que esta foi “uma prova complicada” onde havia “muita lama e muita água”.

A murense Joana Castro venceu a prova de Cadetes, completando os 12 quilómetros em 46 minutos e 49 segundos. Segundo a ciclista, a quem a prova “correu bem”, este percurso “não era difícil em termos de técnica, mas ao longo de cada volta tornou-se dura por causa da quantidade de lama e de água que tinha”, que “era bastante e parecia um rio”. No entanto, referiu que este poderia ter “um excelente percurso se tivesse só um bocadinho mais de técnica para por à prova aqueles que são realmente bons ciclistas e os que tem a técnica”.

Quanto à Joana Castro, o Selecionador Nacional de BTT, Pedro Vigário, contou que “tem estado nos estágios da seleção nacional” e que “está referenciada”. Apesar de ser “bastante jovem”, o selecionador tem “muitas esperanças nela no futuro”.

De forma a premiar a organização da prova, a Associação de Ciclismo do Porto convidou a Seleção Nacional, que participou com “sete cadetes” que se encontravam em estágio até ao dia 3 de março. Segundo o Selecionador Nacional de BTT, esta foi uma prova “muito dura” e “interessante”, que decorreu “numa zona bonita”. Pedro Vigário denotou que é “indispensável que todos os anos hajam provas de BTT na Trofa”, uma vez que há “muito atleta a praticar BTT na Trofa”.

Em Master 40, que contava com um percurso de 12 quilómetros, o pódio ficou completo por António Sousa, Rodolfo Lopes e Tiago Rocha. Já na categoria de Master 50, com o mesmo percurso, os vencedores foram Valentim Ferreira, Arlindo Silva e José Reis.

Na Elite Feminina venceu Joana Monteiro, seguida de Daniela Pereira e Fátima Vida. Em juniores, subiram ao pódio Diana Ferreira, Mariana Pedrosa e Cátia Leal. Nos Master femininos, Liliana Lopes, Dora Marcelino e Flávia Vieira foram as vencedoras.

 

Organização faz balanço positivo

Segundo Nuno Vieira, diretor técnico da Associação de Ciclismo do Porto, para “primeira prova” foi “muito bem organizada”, referindo que “a nível de condições de terreno está muito propício a BTT”. O diretor técnico frisou que esta prova tem “todos os potenciais para se tornar uma grande marca de BTT nacional, porque podemos alargar para mais espaço”, tendo “todo o potencial para se marcar na área do XCO Cross Country Olímpico”.

Também o presidente do Atlético Clube Bougadense, Adalberto Maia, declarou que a competição “correu às mil maravilhas”, parabenizando “os diretores que se empenharam a fazer a construção da pista, o pedido de subsídios e de publicidade, para que a prova acontecesse”. “É com orgulho que aceitamos este projeto de braços abertos, em que vimos que era uma prova e um setor em que tem pernas para andar. A secção de ciclismo está com pessoas que são capazes e conhecedoras. Temos muita fé que vai ter sucesso”, sublinhou.

José Ribeiro, diretor da secção de Ciclismo do ACB, apenas lamentou que “o tempo não tenha ajudado muito”, uma vez que o resto “correu bem, como estava previsto”. Quanto ao projeto, que está a dar os primeiros passos, o diretor afirmou que “tem pernas para andar”, sendo esta “uma primeira de muitas provas” que vão realizar. “Estamos a começar e as coisas estão a correr bem, mas também precisamos que nos ajudem. Isto custa dinheiro e é preciso dinheiro e que nos ajudem, já nós vamos tentar fazer o melhor para ver se incentivamos o ciclismo na Trofa, tentando que haja mais gente a andar de bicicleta, não só a competir mas mesmo a passear”, finalizou.

Já o diretor técnico da secção de Ciclismo do ACB, José Martins, “agradeceu às equipas e aos atletas que estiveram presentes”, assim como “a todo o staff que ajudou e colaborou”, a “todas as pessoas vizinhas que conseguiram ajudar-nos para que esta prova fosse realizada desta maneira”, à Câmara Municipal da Trofa, Junta de Freguesia de Bougado, Trifitrofa, entre outros “patrocinadores, que ajudaram que este evento fosse realizado”.

Para o dia 11 de maio, a secção de ciclismo do Bougadense já está a preparar a segunda prova para a Taça de Portugal e o primeiro prémio da Cidade da Trofa.