A Escola de Música e Artes da Trofa organizou a audição do primeiro semestre, na noite de sábado, 1 de março, no auditório da AEBA, onde os alunos mostraram os seus dotes. Esta atividade e workshop direcionado a profissionais da educação de infância para marcaram comemorações do 63º aniversário da Banda de Música da Trofa.

“Dorme meu menino, a estrela d’alva,//Já a procurei e não a vi,//Se ela não vier de madrugada,//Outra que eu souber será pra ti”. A “Canção de Embalar” da autoria de Zeca Afonso, interpretada pelo Coro da Escola de Música e Artes da Trofa, encerrou a audição do primeiro semestre da Escola, pertencente à Banda de Música da Trofa.

Ao longo da sessão, com cerca de duas horas, os alunos, individualmente, mostraram o que têm aprendido nos últimos meses na Escola. Além da turma de Iniciação Musical e do Coro, participaram nesta mostra os alunos das classes de Violino, Violoncelo, Guitarra, Flauta Transversal, Piano, Trompete e Clarinete.

Segundo Cândida Oliveira, diretora da Escola Música e Artes da Trofa, esta audição foi o “primeiro concerto oficial da escola”, onde cada aluno “tocou perante aquilo que tinha trabalhado” e “deu o seu melhor”. “Tivemos a colaboração dos professores a acompanhar e acho que correu muito bem. É muito gratificante ver que ao fim de quatro ou cinco meses já podemos apresentar um trabalho tão sólido”, apresentou.

Relativamente aos alunos, a diretora afirmou que “a evolução é notável, porque a maioria quando entrou não sabia tocar nada”. A turma de Iniciação Musical, para crianças dos três aos cinco anos, é, para si, “um trabalho muito gratificante”, pois apesar de “difícil” é o que se “vê frutos”.

Cândida Oliveira salientou que a música traz “coisas positivas”, como “concentração, dedicação” e traz “ajuda noutros campos, como na escola e com os amigos”.

Já o presidente da Banda de Música da Trofa, Luís Lima, estava “feliz por estes seis meses de trabalho” dos professores da Escola, que ajudaram “os alunos a desenvolver o seu trabalho nas várias vertentes”. “Gostei muito desta audição. Quero dar os parabéns aos professores e aos coordenadores da escola pelo trabalho que têm desenvolvido, pois em seis meses já se viu os alunos a darem os primeiros passos e a sorrir para um futuro melhor na vida”, afirmou.

No dia em que a Banda de Música da Trofa completou 63 anos, Luís Lima avançou que a direção quer “dar outra dinâmica condições de trabalho à escola”, uma vez que pretende que esta chegue aos “cem alunos”, sendo que, até ao final do ano, espera que tenha “cerca de 60”. “Quero tirar talentos para a nossa banda, dar outro futuro aos jovens ocupando os espaços livres para terem outro futuro na vida”, sublinhou.

Nesse sentido, a Banda de Música vai, “brevemente, fechar um contrato de arrendamento de uma sala própria para estes fins, no centro da Trofa”.

Caso esteja interessado a juntar-se a este projeto, pode contactar a Escola através da página no Facebook (www.facebook.com/escolademusicaeartesdatrofa), a Banda de Música ou dirigindo à sede da Banda, junto à antiga estação, onde decorrem as aulas.

 

Workshop sobre “canções de mimar”

Também inserido nos 63 anos da Banda de Música, realizou-se um workshop sobre “Canções de Mimar”, que se realizou durante o dia de segunda-feira no auditório da AEBA, e foi ministrado por Graça Palheiros, membro do Centro de Investigação em Psicologia da Música e Educação Musical do Instituto Politécnico do Porto. De acordo com Luís Lima, presidente da Banda, participaram “cerca 25 pessoas”, do Norte e Centro do país, ligadas à educação de infância. O workshop foi promovido em concertação com a Escola de Música e Artes da Trofa.