A Câmara Municipal de Amarante distinguiu o trofense Alberto Carneiro com o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso, que consagra a obra do escultor.

Por ocupar “um lugar central no contexto da arte contemporânea”, Alberto Carneiro foi distinguido com o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso, numa distinção que foi aprovada pela unanimidade do júri, constituído por António Cardoso, Laura Castro, Lúcia Matos, João Pinharanda e Sérgio Mah.

Segundo a ata da atribuição do prémio, que foi divulgada em comunicado esta terça-feira, “tanto do ponto de vista da prática artística como da reflexão teórica, a obra de Alberto Carneiro não abre apenas um campo novo na realidade portuguesa dos anos de 1960, como se encontra em perfeita sincronia com as linguagens internacionais onde se insere”. “Do mesmo modo, Alberto Carneiro desempenha um papel fundamental como cidadão interveniente no campo da divulgação da arte contemporânea em Portugal, quer como professor quer como promotor de iniciativas artísticas descentralizadoras, relacionadas com o ensino e com a afirmação do ‘campo expandido’ da escultura”, mencionaram.

O Prémio Amadeo de Souza-Cardoso tem “periodicidade bienal e é atribuído em três modalidades”. Para além do Grande Prémio, há “um prémio de carreira (10 mil euros) a atribuir pelo júri a um conjunto limitado de artistas que serão convidados a apresentar trabalhos em Amarante e um prémio de aquisição (7.500 euros) aberto à participação dos artistas que queiram concorrer”.

Nas edições anteriores, o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso distinguiu, desde que foi lançado em 1997, Fernando Lanhas, Fernando Azevedo (1999), Costa Pinheiro (2001), Júlio Pomar (2003), Nikias Skapinakis (2005), Ângelo de Sousa (2007), João Vieira (2009), António Sena (2011) e Paula Rego (2013).