A população da Freguesia do Muro promete voltar aos boicotes e não ir às urnas no próximo domingo para eleger os Eurodeputados. Através de uma nota enviada aos órgãos de comunicação social a Comissão Metro para a Trofa Já, adianta que “no próximo domingo vamos protestar e exigir a vinda do metro até à Trofa” em frente ao edifício abandonado da antiga estação,de onde até o relógio já foi roubado, a escassos metros da secção de votos, mas “não vão votar”.

Sem Metro e sem Comboio há doze anos a população do Muro tem sido “enganada” pelos sucessivos governos que prometeram “construir a linha ISMAI- Trofa na primeira fase da obra, e mais de uma década depois continua sem a concretizar”.

Na nota enviada à comunicação social, a comissão adianta que “após sucessivas promessas não cumpridas, em Janeiro de 2011, pelo direito roubado do Metro até à Trofa na substituição do comboio, a população desta terra deixou por abrir as mesas de voto. Passadas 48 horas, com as urnas abertas, os Murenses optaram por levar adiante as suas reivindicações e não votaram”, recorda.

Já em 2011 algumas dezenas de pessoas da Trofa entregaram em mão ao representante da Presidência da República uma Petição com 8206 subscritores” e logo depois através do projeto de resolução 290/XII foi prometido “o prolongamento da linha verde do Metro entre o ISMAI e que a Trofa integre a segunda fase da rede do Metro da área metropolitana do Porto”. Deste modo, “o prolongamento da linha verde até ao centro da Trofa deve ser construído com a máxima urgência e deve integrar, de pleno direito, o conjunto de investimentos previstos na segunda fase da rede do Metro do Porto” pode ler-se na resolução.

Aquilo que os murenses pensaram que seria uma vitória acabou por cair novamente no vazio. “Quinze dias depois da ida a Lisboa, a Assembleia da República aprovou um novo projeto de resolução (299/XII) que reforça a urgência de se enquadrar esta obra “no âmbito do co-financiamento comunitário disponível ou a disponibilizar”.

A população do muro sente-se agora defraudada pois “depois de volvidos tantos anos, deparamo-nos que nas obras previstas para enquadrar no quadro de apoios comunitários, com prioridade para transportes públicos e ferrovia, o prolongamento da linha até à Trofa nem sequer, consta da lista de projetos apresentados como prioritários”

Os Murenses sentem-se “traídos” pois “neste momento temos uma das últimas oportunidades para que o prolongamento da linha do ISMAI até a Trofa seja uma realidade”. A Comissão vai mais longe e exige que o Estado assuma esta obra como prioritária incluindo-a na proposta final a apresentar à União Europeia”.

Assim, próximo domingo quando a secção de voto da Freguesia do Muro abrir é esperado que nem um voto caia na urna.