quant
Fique ligado

Edição 699

Política siciliana

Publicado

em

Existem vários casos, de norte a sul do país, transversais a vários partidos políticos, ainda que com especial incidência nos dois suspeitos do costume. Entre eles, o caso de Isaltino Morais é, na minha opinião, aquele que melhor ilustra um dos maiores problemas que a nossa democracia enfrenta, e que diz respeito à forma como somos permissivos para com os abusos dos autarcas portugueses, o que os motiva a fazer mais e pior. E a comportarem-se como pequenos ditadores.

Isaltino Morais filiou-se no PSD ainda na década de 70. Serviu como ministro no governo de Durão Barroso, exerceu funções no Conselho da Europa e no Comité das Regiões da União Europeia, teve cargos em diferentes organismos públicos e foi, desde 1985, presidente da CM da Oeiras, não se tendo apresentado como candidato às Autárquicas de 2013, por se encontrar preso, eleição que acabaria por ser ganha pelo seu delfim, Paulo Vistas. Em 2017, já depois de ter cumprido o tempo de prisão, Isaltino Morais regressou às vitórias, desta vez com uma esmagadora maioria absoluta.

É inegável que o concelho de Oeiras cresceu e evoluiu positivamente durante os seus mandatos, sendo hoje uma referência nacional a vários níveis. A obra foi feita, as empresas fixaram-se e a qualidade de vida da população aumentou substancialmente. Como é evidente, não fez mais que a sua obrigação: um autarca é eleito para trabalhar, não para fazer um favor à população, e recebe, em troca, um salário muito acima da média, com inúmeras regalias, algumas vitalícias, amplamente conhecidas por todos.

Não obstante, desempenhar um bom trabalho à frente de uma autarquia não legitima um autarca a cometer crimes no exercício das suas funções. Não legitima que possa gerir negócios públicos com e para os seus amigos e colegas de partido, não legitima que possa dar (ou criar de raiz) tachos para os seus boys, não legitima que possa usar recursos que são de todos em benefício da sua pessoa, dos seus e do seu partido.

E não só não legitima como deve ser severamente punido, com penas de prisão pesadas, sem prescrições, e impedimento vitalício de exercício de funções públicas. Mas isto sou eu, que não aprecio políticos corruptos, por muitas estradas que pavimentem, obras que construam ou empresas que, durante o seu mandato, se fixem no concelho em causa. Na minha opinião, não há rigorosamente nada que legitime a continuidade de um político criminoso em cargos electivos. A gestão pública não é a máfia siciliana. Apesar das semelhanças.

Portugal, infelizmente, está repleto destes cancros autárquicos. Uns são perfeitos incompetentes, incapazes de arranjar um passeio, outros mais dotados, ou mais capazes de se fazer rodear de pessoas capacitadas, mas, no fundo, não deixam de ser farinha do mesmo saco. São criminosos, ponto. E não existem bons criminosos. Um criminoso é um criminoso. E deve ser exemplarmente punido. Lamentavelmente, ainda há muito quem neste país venere criminosos, quem esteja disposto a votar em criminosos, mesmo quando os seus crimes são evidentes demais para serem ignorados. É a velha história do “rouba, mas faz”. Ou do “eles são todos iguais e a corrupção está-lhes no sangue”.

Discordo de ambas as premissas. Se rouba deve ir para a prisão, faça o que fizer. E não, eles não são todos iguais. E essa falsidade, que nos garante que são todos iguais, só beneficia os criminosos, pelo que é meu entendimento que deve ser combatida. Como devem ser combatidos, sem tréguas, todos estes mafiosos, que só contribuem para descredibilizar ainda mais a política portuguesa, que nos custam, todos os anos, vários milhões de euros, e que nos provam, todos os dias, que a igualdade de oportunidades não passa de uma farsa para enganar os mais ingénuos. Pena sermos tão mansos.

Publicidade

Temos o que merecemos.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 699

Está ai a romaria de Santa Eufémia

Publicado

em

Por

Começou, no sábado, mais uma romaria da Santa Eufémia, em Alvarelhos. A festa é uma das mais icónicas do concelho e atrai milhares de visitantes ao longo do mês de setembro ao Monte de Santa Eufémia.

A Fanfarra de Santa Maria de Alvarelhos anunciou o início da romaria, na manhã de sábado e para domingo, dia 8, houve atuação do conjunto típico Estrelas Incomparáveis, às 14 horas, interrompida, às 15.45 horas, para a celebração da missa.

A festa prossegue no próximo fim de semana, com o concerto musical, às 21.30 horas de 14 de setembro, seguindo-se a sessão de fogo de artifício. Nesse dia, há missa às 9 e às 11 horas.

No dia 15, as missas realizam-se no adro do santuário, às 7, 9 e 11 horas. Às 8 horas, há encenação das rusgas de antigamente.

Para o dia 16 está reservada a atuação da Banda de Música da Trofa e da Banda de Lousada, durante toda a tarde e no dia 21, o monte de Santa Eufémia vai ser animado com o 20.º Festival de Concertinas e Cantares do Desafio, com Aguiar de Barcelos, Carvalho de Cucana, Ângelo Veloso de Vila Verde, Loureiro de Barcelos, Bruno de Nine, Pedro Cachadinha, Zé Cachadinha, Carlos Soutelo de Barcelos, Henrique de Lindoso e Soalheira de Guimarães como cantadores. Os tocadores são Cerqueira e Pereira da Lixa. O festival começa às 15 horas.

O 44.º Festival de Folclore encerra as festas, no dia 22, a partir das 14 horas, com o Rancho Folclórico de Alvarelhos, Rancho Folclórico de Ponte da Barca, Rancho Folclórico da Casa do Povo de Sousela (Cinfães), Rancho Folclórico de S. Cipriano (Guimarães) e Rancho Folclórico de S. Miguel-o-Anjo (Vila Nova de Famalicão).

Continuar a ler...

Edição 699

Centristas da Trofa candidatos a deputados

Publicado

em

Por

A Trofa tem mais dois políticos nas listas para as eleições legislativas de 6 de outubro. Pedro Parada Monteiro, de 37 anos, foi indicado pelo CDS-PP da Trofa “por unanimidade” para ser candidato dos centristas pelo distrito do Porto, acabando por ser incluído na lista aprovada em conselho nacional, no lugar número seis.

Pedro Parada Monteiro é professor do Ensino Básico e Secundário desde 2007 e coordenador do Grupo Sócio-Demográfico da Comissão Distrital do Porto do CDS.

Também Mariana Afonso Serra, licenciada em Administração Pública pela Universidade do Minho e dirigente da Juventude Popular da Trofa, foi indicada pela comissão política concelhia centrista e consta da lista do distrito do Porto no 34.º lugar.

“Apresentamos dois jovens com fortes e profundos laços no tecido social, interventivos e conhecedores da realidade concelhia e distrital, detentores de uma formação académica especializada, que lhes angariam o reconhecimento e mérito no seio profissional”, referiu Adalberto Monteiro, presidente do CDS-PP da Trofa, justificando a escolha da comissão política concelhia.

Recorde-se que, da Trofa, são ainda candidatos Sofia Matos (9.º), Alberto Fonseca (10.º), ambos em lugares elegíveis, e Susana Oliveira (2.ª suplente), pela lista do Porto do PSD.

Joana Lima, no lugar 12 das listas do PS pelo distrito, está também em boa posição para ser reeleita deputada, enquanto Teresa Fernandes, presidente do Departamento Federativo das Mulheres Socialistas do Porto, desceu na lista relativamente às últimas legislativas, do 26.º para 37.º lugar. Mário Mourão, de S. Romão do Coronado, avança no lugar 32 da lista socialista.

Jaime Toga, responsável do PCP no distrito do Porto, surge em 10.º lugar na lista dos comunistas pelo círculo eleitoral do Porto.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);