exposicao-benvindo-carvalho 

Exposição “Novas Pinturas”, de Benvindo de Carvalho, reverterá verbas a favor da EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques. Associação de Pais considera “urgente intervir” no melhoramento das instalações.

E se uma exposição fosse mais que uma manifestação da Arte e ajudasse a dar uma melhor escola aos jovens da Trofa? É exactamente este o objectivo de “Pinturas Recentes”, a mostra que se encontra patente na Casa da Cultura da Trofa, com assinatura de Benvindo de Carvalho.

O repto para esta exposição foi lançado pela Associação de Pais (AP) da Escola EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques que, insatisfeita com as actuais condições que a instituição dá aos alunos, decidiu “pedir apoio ao pintor Benvindo de Carvalho para nos reverter o valor da exposição em favor da escola que precisa de grandes alterações”, explicou Paula Andrade e Sousa, presidente da AP.

“A escola está envelhecida e não tem condições em termos térmicos, de instalações e de laboratórios. Eles não fazem uma experiência. Gostávamos de apetrechar a escola com material pedagógico para tentar melhorar as condições das crianças”, referiu.

Em forma de apelo, a presidente da AP referiu que a mostra conta com “obras muito bonitas” e a compra de algumas delas “resultará numa grande ajuda à escola”.

Benvindo de Carvalho tem o curso de escultura da Escola Superior de Belas Artes do Porto e da Escola de Artes Soares dos Reis, mas também utiliza a pintura como escape intelectual. O expressionismo abstracto está bem patente nas obras que expõe na Casa da Cultura e nela a “harmonia cromática” é uma constante, basta estar atento a uma delas inspirada em África, com cores quentes como o laranja, que faz lembrar as temperaturas elevadas daquele continente.

“Nesta linguagem de vez em quando percebem-se vestígios de um objecto que tenha servido de inspiração ou se não serviu, apareceu durante a execução. É o caso da forma humana. O meu trabalho processa-se de uma forma que por vezes não é a mais fácil. Na pintura muitas vezes tenho este desafio que leva a uma certa angústia, mas depois quando se consegue avançar dá satisfação, que é uma tela em branco sem nada e, sem utilizar os estudos, começo a trabalhar e as coisas depois vão surgindo”, explicou.

O vereador da Cultura da autarquia, Assis Serra Neves, não faltou à inauguração da exposição e lamentou que o espaço da mostra “fosse demasiado grande para as pessoas que vieram”. Para evitar este cenário, o autarca vai implementar “uma alteração na programação”, que visa mais divulgação das actividades na Casa da Cultura.

“O ano de 2010 vai melhorar substancialmente, vai haver uma alteração na programação e estou convencido de que vai ser mais atractivo e tornará este espaço pequeno com mais movimento da população da Trofa”, afirmou.

Sem se pronunciar sobre os problemas da Escola EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, por pertencer a um pelouro que não é da sua responsabilidade, Assis Serra Neves aproveitou para referir que “é importante pôr as escolas em contacto com a Casa da Cultura”.

É urgente intervir”

As verbas que reverterão da mostra de Benvindo de Carvalho permitirão uma actuação imediata na escola, mas é também intenção da AP tirar da gaveta o projecto que visa redimensioná-la. “Ele (projecto) passou desta fase da DREN – Direcção Regional de Educação do Norte – para a Câmara e ainda ninguém pegou no assunto. Agora com o novo executivo gostávamos de ter uma reunião, também com o presidente da escola, porque está em vista a construção de um novo pavilhão perto da caixa de areia (onde se encontram os campos desportivos), onde iríamos pôr laboratórios e salas, porque há muitos furos de tempo e as crianças ficam horas à espera, pois não há salas. É urgente intervir”, concluiu.