quant
Fique ligado

Edição 720

PCP quer Governo a preservar Castro de Alvarelhos

Publicado

em

Referenciado como um dos monumentos com maior valor patrimonial da região, o Castro de Alvarelhos foi, a 15 de junho, um dos locais da visita de trabalho da deputada do Partido Comunista Português, Ana Mesquita.

Os comunistas dizem-se preocupados com o estado do património que ajuda a contar a História de Portugal e por isso decidiu questionar o Governo sobre o que pensa fazer no futuro para a sua preservação.

“Há algum abandono por parte do Governo aos sítios arqueológicos do nosso País, que necessitam de um apoio maior, nós encaramos o património cultural como algo estruturante para Portugal, que tem um valor e enquadramento próprio, que deve ser valorizado, estimado e divulgado”, começou por dizer a deputada, que não deixou de assinalar a “coincidência” de, naquela manhã, estarem a realizar trabalhos de limpeza do espaço arqueológico em Alvarelhos.

Ana Mesquita considera que o Castro, assim como outros monumentos, tem sido alvo de uma “manutenção esporádica” e merecido “pouca atenção do ponto de vista do financiamento”, o que leva o PCP a defender que a preservação destes locais é matéria para ser da competência do poder central e não das câmaras municipais.

“Merece uma intervenção por parte do Governo, como merece o outro património, falando de castelos, palácios e museus. Falamos de uma rede de responsabilização do Estado, que deve colocar em igual patamar todo o património do País, para que haja uma coerência e não 308 políticas diferentes, uma por cada município”, argumentou a deputada.

A comitiva do PCP da Trofa acompanhou Ana Mesquita na visita e sublinhou a consonância da atuação do partido a nível local, justificada pelo facto de os comunistas, na Assembleia Municipal, não terem votado favoravelmente as últimas contas da autarquia, por considerar que “a Câmara dá pouca atenção às questões culturais e, particularmente, ao Castro de Alvarelhos”.

“Limita-se a uma limpeza dos terrenos envolventes e não há nenhuma evolução para, por exemplo, a criação de um centro interpretativo e envolvimento das escolas do concelho”, sublinhou Paulo Queirós.

Publicidade

É exatamente esta vocação pedagógica que o PCP quer ver potenciado neste e noutros monumentos nacionais. “Sabemos que, em princípio virão fundos com esse objetivo, mas devia haver uma valorização, quer ao nível de infraestruturas de apoio ao visitante, de sinalética e de conforto, que permitem que as pessoas fiquem aqui durante algum tempo e o espaço se torne convidativo”, destacou Ana Mesquita.

Recentemente, a Câmara Municipal da Trofa viu aprovada uma candidatura a fundos comunitários, com um investimento elegível de quase 438 mil euros, comparticipado em 85 por cento, com vista à promoção e valorização do Castro de Alvarelhos. A candidatura prevê, inicialmente, o melhoramento das condições e dos percursos de visitação ao Castro, no qual se inclui “a aquisição de um terreno”, assim como a qualidade dos acessos, e a continuidade de acompanhamento arqueológico e de investigação, assim como de conservação dos materiais do acervo.

“Esperamos que este projeto seja o início desses melhoramentos e que não seja apenas usado para fazer uma limpeza mais profunda e estar mais 10 ou 15 anos sem olhar para o local”, atestou Paulo Queirós.
Na candidatura está prevista a aquisição de um equipamento de monitorização, para contagem dos visitantes do Castro de Alvarelhos.
No projeto, foram identificados como “novos públicos” a comunidade escolar, científica e associativa, famílias, turistas (nacionais e internacionais), visitantes com mobilidade reduzida e com deficiências visuais ou auditiva. Para estes últimos, haverá informação gráfica em braille e um documentário bilingue traduzido para língua gestual. Está ainda prevista a realização de uma exposição itinerante, com divulgação à escala nacional.

O Castro de Alvarelhos é um dos maiores povoados do Noroeste Peninsular. A localização junto de uma importante via romana e o valor dos objetos ali encontrados indiciam a relevância do local, que teve ocupação até à Idade Média, como provam as ruínas de uma capela medieval, que se julga ter sido a primeira igreja de Alvarelhos. É também visível uma sepultura da época medieval, altura em que os corpos eram colocados “em local sagrado”.

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 720

Memórias e Histórias da Trofa: Melhoramento da rede viária da Trofa

Publicado

em

Por

Os grandes investimentos de obras públicas na Trofa normalmente são conseguidos com grandes dificuldades, não sendo apenas uma situação das últimas décadas, mas sim um sinal da nossa sina, atendendo que parece ser um problema que já tem quase séculos de existência.

Folheando as páginas da imprensa local ao longo de décadas desde os meados do século XIX é possível concluir que as obras na Trofa aconteciam a um ritmo bastante lento e somente após vários anos de súplicas e pedidos ao poder local, regional e até nacional.

Nesse sentido, temos o exemplo da melhoramentos na Trofa que ocorreriam em dezembro de 1920, referindo que esses pedidos já eram realizados ia para 30 anos.

O primeiro pedido era referente a um arruamento antiquíssimo e muito conhecido, sendo um caminho existente desde a passagem interior da linha férrea pelos baixos da ramada do lavrador Vinhas até a estrada que liga com a de Vila do Conde e Santo Tirso.

O desejo da comunidade era a reconversão daquele caminho em uma estrada de cinco ou seis metros para Paradela ou macadamizar o atual caminho, alargando-o e tirando-lhe algumas curvas mais salientes.
O terceiro pedido era referente a uma rua de oito metros que tinha de ser construída, ou aparentemente estaria a ser realizada a sua construção, ocupando os terrenos do lavrador Mateus, Joana Dias, Vinha e Paulinho deste da estrada que ligava Vila do Conde a Santo Tirso com a sua passagem a ser efetuada junto à passagem inferior do caminho de ferro ao pé dos grandes armazéns do senhor Silva e companhia.

Importante referir que para auxiliar a população era preciso dinheiro, havendo um investimento também na iluminação pública que era indispensável, como também concretizar outros investimentos como levar água de Valdeirigo, macadamizar várias ruas para fazer com que elas deixassem de ter um aspeto tosco e básico em terra para dar mais qualidade à circulação de pessoas e viaturas, recordo que neste período da história a Trofa era uma localidade em crescimento acelerado e estava a lançar as sementes para se tornar na cidade referência que é na atualidade.

As obras estavam em crescendo, era mais que muitas, fruto talvez do desinteresse do poder local e regional nesta pequena localidade que estava conforme foi descrito no parágrafo anterior a viver momentos de dinamização económica, estando por último projetada a construção de uma Avenida da Senhora das Dores até ao Rio Ave.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição 720

Alteralismo

Publicado

em

Por

Há uns anos, foram editados alguns livros de auto ajuda, que coincidiu com o período em que estive divorciado. Não foi a leitura de nenhum desses livros que me ajudou a divorciar, mas um deles, quiçá o mais famoso, que comprei e depois de ler verifiquei que foi um engano, serviu de óptima prenda para uma amiga desesperada…eu despachei o livro e ela ficou impressionada, pensando que sou uma pessoa sensível à natureza feminina!

Este livro chama-se “O Segredo”, com muitas páginas que se resumem ao seguinte: Não é preciso agir, apenas pensar convictamente e insistentemente no que se quer. Essa vontade é transmitida ao universo e em troca recebemos a concretização do desejo! Neste ritual há uma regra de ouro: nunca pensar no “não” nos nossos desejos!
Discordo completamente!

Neste período, encontrava-me amiúde, no café, com dois bons amigos, que para não serem identificados vou tratá-los com os nomes alterados, são o Tóó e o ZéTóó. Tínhamos conversas animadas e entusiastas. Quem olhasse para nós, pela pinta, pensava, “Estão a falar de miúdas!”…em 98% dos casos tinham razão! E nos 2% que sobravam, quando entrava uma miúda gira, havia pareceres!

Basicamente as conversas pareciam um jogo de futebol português, muito pontapé na bola e pouco tempo útil de jogo! Mas o pouco que havia entusiasmava-nos e era o que fazia os nossos encontros diferentes!
Eu, o Tóó e o ZéTóó, éramos (e somos), pessoas de agir, mas na altura estávamos em estados de maturação e consciência diferentes. O Tóó e o ZéTóó, tinham uma primeirinha muito boa, mas a custo metiam a segunda, quanto a mim, talvez pelo divórcio recente, ia metendo as mudanças até me “enfaixar”!

Numa dessas conversas falávamos na influência do meio e dos outros em nós mesmos, mas com segurança afirmávamos que tínhamos de ser o agente principal das nossa vidas! Rapidamente chegámos à conclusão que desde a existência da civilização, muita gente falou e escreveu sobre isto…mas não sabíamos o que lhe chamaram!

Numa mesa de café nasceu o “ALTERALISMO”!

Eu, o Tóó e o ZéTóó, criámos algo que sempre existiu, mas não tinha nome…ou se tinha, desconhecíamos!

Publicidade

Após essa descoberta, no aniversário do Tóó, num restaurante do Porto, com cerca de trinta convidados, o aniversariante, sem aviso prévio, chama-me para declarar ao mundo o “ALTERALISMO”! Tóó olhava para mim como o homem de ação, o “James Bond” do “ALTERALISMO”!

O “ALTERALISMO” tal como “O Segredo”, poderia ser editado em livro com 200 páginas, mas também se resume a meia dúzia de ideias, expostas nessa noite memorável…para o aniversariante (começou a namorar)!
Expliquei que não nascemos etiquetados com a história da nossa vida.

Temos de ser o motor dela mesma e assumir o papel principal, avançar e arriscar as portas entreabertas e vencer o medo do caminho estreito!

Mesmo quando o que queremos está para além de uma parede de betão e nos “esborrachamos”, voltamos para trás, tristes, mas quem sabe se não ficaram fendas e a parede de betão um dia vem abaixo!

Toda a gente me ouvia com atenção tal que, enquanto discursava, já pensava em criar uma seita e pedir o dízimo! Nessa noite arranjámos alguns seguidores na esperança de que também eles nos ajudassem a entender isso do “ALTERALISMO”!

Entre esta criação (que já existia!) e o “Segredo”, ou sou ALTERALISTA! 

António Machado, poeta sevilhano, nascido no séc. XIX, escreveu, “Caminhante, não há caminho, faz-se caminho ao andar!”. Eu, o Tóó e o ZéTóó, criámos o que já existia, o “ALTERALISMO”!

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também