Entre os dias 13 e 16 de maio, a Escola Passos de Dança marcou presença com 23 alunos, dos polos da Trofa e da Póvoa de Varzim, na final mundial do Global Dance Open.

Numa competição em que estiveram mais de 35 países representados, 700 coreografias e cerca de 1300 bailarinos, a escola conseguiu resultados de relevo.

Ana Maria Costa e João Pedro Vila Real, com “Falling in Love”, na categoria Senior Duet/Trio Lyrical, alcançaram o 2.º lugar, posição também conseguida por Mafalda Oliveira (“Thunder”), em Intermediate Solo Contemporary, e Maria Clara Vieira e Francisco Leocádio (“Flames of Paris”), em Intermediate Pas de Deux.

Coletivamente, a Passos de Dança garantiu o 2.º lugar na categoria, com Ana Clara Faria, Inês Ribeiro, Mariana Mlauzi, Mariana Azevedo, Ana Teresa Pereira, Beatriz Ferreira, Júlia Duarte, Mafalda Ribeiro e Ana Clara Duarte.

João Pedro Vila Real foi 3.º classificado, em Senior Solo Jazz/Showdance, com “Fascinating Rhythm”, assim como Maria Miguel Monteiro (Arrabalera), em Intermediate Solo Contemporary, e Francisco Leocádio, com “Interius em Intermediate Solo Contemporary Boy, e com “Satanela Male Variation” em Intermediate Solo Ballet Boy. Maria Beatriz Martins e Maria Miguel Monteiro também subiram ao último lugar do pódio, na categoria Intermediate Duet/Trio Ballet , com “Pizzicato”. Maria Mota e Maria Beatriz Martins foram 4.ªs classificadas em Intermediate Duet/Trio Lyrical, com “Nude”.

Além da competição, houve outras boas notícias para a Passos de Dança. Francisco Leocádio foi convidado para uma audição para a Dutch National Ballet Academy e uma entrada direta para o Curso de Verão desta mesma instituição, enquanto João Pedro Vila Real ganhou uma bolsa de estudo de uma semana na Iwanson Contemporary Internacional, na Alemanha. Já as alunas Maria Miguel Monteiro e Maria Beatriz Martins ganharam aulas privadas com Maximilano Guerra, na Argentina.

“Estes prémios traduzem o potencial e o talento destes jovens bailarinos, que durante um ano tão atípico, nunca desistiram dos seus objetivos e continuaram a trabalhar sem parar”, revelou fonte da instituição.