“Não é normal que um padre seja frequentemente triste, nervoso ou duro de caráter; não está bem e não faz bem, nem ao padre, nem ao seu povo. Nós, sacerdotes, somos apóstolos da alegria”. As palavras são do Papa Francisco, mas podem ser aplicadas ao sacerdote que há dez anos chegou a Guidões. José Ramos está há uma década na paróquia que ajudou a reconstruir. As coisas nem sempre foram fáceis, mas a sua persistência em querer deixar a paróquia melhor do que a encontrou acabou por ligá-los de uma forma muito peculiar. Os diferentes grupos, e paroquianos em geral, olham para trás e reconhecem o trabalho que o sacerdote fez por Guidões. Por isso, também eles quiseram deixar a sua marca nestes dez anos de paroquialidade, deixando uma mensagem ao padre José Ramos

“Quando Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce”

Carla Pinto, porta-voz do grupo, diz que “apesar de no início terem surgido alguns atritos”, José Ramos era “um pároco cheio de ideias e a querer melhorar tudo”. “Nem todos estavam abertos a mudanças, mas penso que quando é para o bem da paróquia então é para o bem das pessoas. E os guidoenses perceberam isso”, recordou. Apesar de lhe reconhecerem “defeitos como todo o comum mortal” tem, o grupo considera-o “muito ativo”. “Dá a sua opinião, ouve, volta a dar opinião se for necessário e, no final, o que o grupo, como um, decidir, está decidido. Tenta sempre unificar e não separar”, frisou. “Continue a unificar e a conservar, pois penso que é disso que uma paróquia precisa. Agradar a todos não é possível, nem nunca será, mas se as nossas atitudes e atos forem feitos com o coração, então ninguém nos pode julgar. ‘Quando Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce’. Muitas felicidades em nome do grupo da catequese”. É a mensagem que este grupo deixa ao sacerdote. Grupo da catequese

“Pessoa excecional e acessível”

“É uma pessoa excecional e acessível”, frisou Raquel Oliveira, responsável por um dos grupos corais. Diz o grupo coral, que o padre José Ramos “não se intromete no trabalho” que fazem e reconhecem-lhe o esforço, “dado que tem três paróquias e, às vezes, torna-se um bocadinho complicado conseguir gerir, nunca disse que não a nada”. “Gostamos bastante dele”, afirmou Raquel. E como uma década é uma data memorável, o grupo coral quis deixar uma mensagem ao pároco: “Continue como tem sido até agora: amigo, a ajudar-nos nas necessidades que temos, a dar-nos a sua opinião”. Coro Litúrgico da Paróquia de S. João Baptista de Guidões

“É uma pessoa muito culta e bom contador de histórias”

O grupo vê o pároco como uma “pessoa muito culta, bom contador de histórias, despertando a sensibilidade de quem ouve, uma pessoa com uma vida simples e essencial, que o faz aproximar dos mais humildes numa caridade pastoral”. “Foi sempre um pastor atento à sua comunidade, como ouvinte e como crítico. Tem construído uma comunidade, apesar do tempo ‘pobre’ em fazer amizades”, disseram. Não esquecendo os dez anos de dedicação à paróquia, o grupo quis deixar uma mensagem: “A sua grande missão na nossa paróquia tem sido restaurar a igreja, com a sua grande sabedoria em arte sacra, missão essa que continua a lutar com grande empenho. O Grupo Coral Juvenil agradece a sua disponibilidade pessoal em prol do bem da nossa comunidade durante estes dez anos” Grupo Coral Juvenil de Guidões

“Foi uma mais-valia para a paróquia”

Um dos elementos da Comissão de Fábrica, José Sousa, confidenciou ao NT que José Ramos “deu toda a liberdade à Comissão de Fábrica para que pudesse trabalhar e fazer as obras que fez”. Com um percurso em Guidões que consideram “bom”, a Comissão de Fábrica caracteriza o sacerdote como “uma pessoa afável e com uma boa ligação aos paroquianos”. “Que continue assim, que nos vá aturando a todos. Foi uma mais-valia para a paróquia de Guidões porque, anterior à vinda dele, não tínhamos absolutamente nada. Ele deixou-nos trabalhar, daí termos conseguido o feito. Que continue a ser como é”, desejou José Sousa em nome da Comissão. Comissão de Fábrica da Igreja

“Está sempre disponível”

Virgílio Silva, da Conferência S. Vicente de Paulo de Guidões, disse ao NT que o grupo “só pode avaliar positivamente” o percurso do padre Ramos ao longo da última década. “Temos boas relações com ele. Está sempre disponível e até nos encaminha em determinadas situações. De uma certa forma, é o nosso líder espiritual”, afirmou. Para os Vicentinos, o pároco é “uma pessoa aberta, com uma personalidade forte e determinada, com muita cultura e de muito estudo e com muita credibilidade naquilo que diz”. “É um padre moderno”, reforçou Virgílio Silva . Desta forma, os Vicentinos dedicam umas breves palavras a José Ramos: “Esperamos que continue a paroquiar Guidões. Os Vicentinos precisam dos seus trabalhos e de si e a paróquia também. Esperamos que continue a trabalhar como tem trabalhado em prol da paróquia. Tem feito um ótimo serviço”.
Vicentinos de Guidões