José da Costa Neves faleceu a 29 de Janeiro de 2010, mas antes deixou um último desejo: doar um terreno de 9500 metros, conhecido pela “Peneda da Pena”, em Cidai, à paróquia de Santiago de Bougado.

Este feito e todos os serviços prestados por José da Costa Neves foram reconhecidos no domingo, na Capela de S. Gens numa missa solene de homenagem aos benfeitores da obra de S. Gens, seguida do descerramento de uma tela artística do bougadense.

“Faleceu há um ano e foi um dos maiores benfeitores da paróquia, não só pelo que fez, pelo que deu mas porque no fim entregou-nos uma bouça com 9500 metros”, explicou o pároco Armindo Gomes. “Sentimos a obrigação de agradecer”, frisou, lembrando que “a palavra ‘dar’ só não basta, são necessárias as obras”.

Na cerimónia não faltaram os familiares, o grupo de escuteiros da freguesia, o grupo coral e os membros da Comissão de S. Gens de Cidai entre outros bougadenses cujas lágrimas não se esconderam quando a esposa Blandina Torres revelou a tela, onde foi pintado o rosto do marido, afixada ao lado dos restantes benfeitores da paróquia.

Num misto de alegria e tristeza, Blandina Torres agradeceu o apoio de todos. “Sinto-me triste por ele ter falecido e alegre pela festa que lhe fizeram, foi uma surpresa muito grande e se ele estivesse vivo abraçava toda esta gente com muito gosto”, contou ainda emocionada.

Descrevendo o marido, Blandina Torres garantiu que “ele gostava de fazer o bem em silêncio”, “gostava da paróquia”, mas essencialmente era devoto da Nossa Senhora da Alegria: “Morreu com a Nossa Senhora da Alegria na boca, estava sempre a dizer, Nossa Senhora da Alegria sê a minha companhia”.