Autarquia inaugurou exposição de pintura e escultura de Francisco Gomes Machado. Obras estão patentes na Casa da Cultura da Trofa até 26 de Fevereiro

 

A harmonia das cores e a profundidade dos traços nos quadros… os rostos esculpidos que exprimem almas e culturas. É assim que se definem as obras de Francisco Gomes Machado, o pintor e escultor que, a convite da autarquia, inaugurou a exposição “Passagem” na Casa da Cultura da Trofa.

“É um artista plástico internacionalmente conhecido com exposições em França, em Itália e muitos prémios conquistados”, justificou Assis Serra Neves, vereador da Cultura da Câmara Municipal. O autarca mostrou-se satisfeito com os trabalhos apresentados pelo artista, realçando “o aproveitamento dos materiais para a escultura e pintura”. “A forma como são apresentadas tem muito a ver connosco, como é o caso da pedra, mas também os arcos das pipas”, frisou, lamentando apenas a “falta de adesão da população da Trofa”.

Por “conhecer a Trofa como as palmas das mãos” Francisco Gomes Machado aceitou o convite e começou “a trabalhar coisas novas” para trazer para esta exposição. “É o seguimento daquilo que tenho feito noutros locais, estive na Confraria do Bom Jesus em Braga, depois estive no Paço dos Duques de Bragança e vim de lá para aqui e acho que fechei com chave de ouro, aqui na Trofa, o que é muito bom para mim”, reafirmou.
E para expor na Trofa o artista trouxe uma peça especial – “A Camponesa”. “É uma peça muito bonita que parece de madeira, mas não, é xisto da Trofa. É uma peça que eu tenho todo o prazer em trazer aqui, porque fala da terra, de si própria e também da mente das pessoas. ‘A Camponesa’ é uma pessoa simples, alegre, mas também triste, porque a cada momento do dia temos um rosto diferente”, explicou Francisco Gomes Machado.

A utilização da pedra, da madeira e do ferro, contrastavam com as paisagens pintadas em tons suaves, que surpreenderam aqueles que visitaram a exposição. “Foi uma surpresa muito agradável a harmonia e o equilíbrio que ele consegue sempre encontrar mesmo nos materiais mais obscuros como utilizou”, explicou Ana Aguiar, visitante da exposição. Para a pintora Maria Augusta Braga, esta é uma exposição a visitar, porque “é uma forma de sensibilizar as pessoas a verem a natureza de outra forma”. Fascinada com “as cores” utilizadas nas telas e os materiais acrescentados aos trabalhos, a pintora aconselhou os visitantes a “fazer as suas leituras”.

Francisco Gomes Machado é um artista plástico já com vários prémios, tendo exposto os seus trabalhos por todo o país e pelo estrangeiro, em França, Inglaterra, Suíça e Itália.

A exposição estará patente na Casa da Cultura da Trofa até 26 de Fevereiro.