Soutrofense 

Hoje sou um Bruxo deprimido, um dia de namorados e namorada nem vê-la, um jogo perdido logo pela manhã com um frio de rachar, dão cabo do humor a qualquer mortal.

Mal me tinha sentado na cadeira e Golo! Porra, isto é darem-nos um murro ao acordar, sim porque o que se passou a seguir foi um pesadelo, mais um, começam a ser demais e a subida a ficar tão longe.
Disse-me um passarinho (mandarim) que o Trofense foi estagiar para o Hotel Cidnay em Santo Tirso, se era para se mascararem de palhaços, mais valia terem vindo para Curral da Mula e passarem a noite a pastorear as cabras. Sempre aprendiam a andar em rebanho na procura do melhor pasto, assim andavam uns para cada lado, foi uma verdadeira desgraça e temos que procurar os culpados, porque a culpa não pode morrer solteira, logo no dia de S. Valentim.
Os nossos meninos estão inocentes, afinal é Carnaval, o treinador é novo, (desta vez escapa por fazer as substituições que fez) e as coisas têm que ser ditas por quem sabe. A culpa foi do árbitro, era alentejano e os jogadores não queriam cansar o “cômpadre”, vai que jogam devagarinho, para ele acompanhar, foi mesmo ao seu ritmo, muita calma, muita pachorra, só lhes faltou o chaparro, muito embora lhes tenham arranjado um pinheiro (já um pouco velho) para o descanso final.
Quando o “home” do apito viu as equipas deve ter pensado: “Eh pá, aquele Roberto, parece estar ‘prenho’ e aparenta ser dois, temos que tornar as coisas mais leves para o Feirense”. Vai daí toca a expulsar um dos nossos, podia ter sido um defesa, que nem se dava pela falta, mas não, tinha que ser um que fizesse a equipa mexer-se, então implica com o Tiago e mostra-lhe um amarelo por uma faltinha de nada, ainda tem o desplante de lhe virar costas e não ouvir as reclamações do rapaz, que pedia para lhe mostrar o vermelho! O homem faz orelhas moucas e fecha os olhos, ora mal vê a falta do jogador do Feirense e nem lhe mostra o cartão, o que só irritou o nosso capitão, que continuava a pedir para ser expulso, coisa que o árbitro finalmente (um ou dois minutos depois) acedeu e ficou o caldo entornado, porque a jogar ao ritmo de Portalegre contra 11 calmeirões, pouco podíamos fazer. O jogo fica sentenciado já perto do final, com o segundo golo, na marcação de um livre que supostamente punia uma falta que não existiu, aqui o bandeirinha falhou…falhou-lhe a vista.
O pessoal reclamou muito no final da primeira parte, por haver um jogador do Feirense a dormir a sesta, o árbitro não queria que lhe perturbassem o sono e, vai daí, manda continuar o jogo. Fez bem, afinal o rapaz devia estar mesmo muito cansado, tanto que é substituido ao intervalo para poder dormir melhor. O alentejano pode não ser inteligente, mas é esperto, conhece as manhas todas dos jogadores, essa é que é essa, se fosse um dos nossos, seria uma crueldade de todo o tamanho, assim foi um acto de caridade para com o pobre Adilson, que teve que se levantar muito cedo.
Entre os nossos jogadores não havia sintonia, dêem-lhe um sistema de comunicação, se faz favor, se os árbitros usam, eles também deviam poder fazê-lo, assim sempre sabiam para onde direccionar a bola, querem que eles adivinhem para onde chutar, pensam que são bruxos ou quê?
O novo treinador segue as indicações do anterior (dizem-me que pelo menos é mais giro) e continua a guardar o Hélder Sousa no banco, muito bem feito, o nosso relvado estava uma maravilha, ele podia estragá-lo se jogasse muito e isso notava-se nas imagens televisivas, que aliás condicionaram o desempenho dos nossos atletas, queriam ficar bonitos na TV e então faziam pose antes de rematar, eram certeiros, rematavam sempre à figura do guarda-redes, até para o rapaz não correr o risco de agravar a lesão que contraiu na semana anterior, ainda há quem diga que não tratamos bem os nossos ex-atletas? Qual quê, melhor tratamento é impossível…
Ao intervalo foram atribuídos os prémios do concurso da fotografia, e da paixão ao clube, parecia que finalmente as coisas iam animar, preparava-me para aplaudir o meu “patrão”, quando vejo que ele não entrou na fila indiana, mas eis que aparece alguém a correr, pensei que era invasão de campo, mas não, uma Maria qualquer apoderou-se do prémio, está mal, já lhe tinham tirado o segundo lugar que era o que ele merecia e agora ainda lhe apanham o ano de quotas pagas?
Eu só desconfio que não foi ele a ganhar, porque não há nenhum Ricardo no plantel, assim premiaram um Paulo (que diga-se de passagem até tinha uma foto toda bonita) e sempre deram uso às camisolas do Paulinho, como já li por aí, se houver um Nuno Mendes, que concorra, para o mês que vem que o prémio é dele.

Bruxo do Curral da Mula