Estimado(a) irmão (irmã) mais fragilizado(a):

Neste ano 2020 ainda não te visitei. Se não o fiz, não foi por falta de tempo ou por me ter esquecido de ti. A situação calamitosa que estamos a viver e as orientações emanadas da Direcção Geral de Saúde impedem-me de o fazer. Mas, diariamente, ao passar à porta dos meus paroquianos doentes ou fragilizados, me lembro de cada um deles.

Sei que cada um de vós gostaria de me ver entrar no seu quarto e conversar comigo. Também eu! Logo que seja possível, retomarei a visita aos meus doentes. Até lá, embora à distância, continuaremos unidos na fé em Jesus Cristo, nosso Guia e Condutor.

Sou padre há 30 anos. Pela primeira vez me vejo privado de liberdade total. Ao longo destas três décadas, sempre visitei livremente os meus doentes. Pela primeira vez, estou impedido de o fazer. A situação internacional assim o exige, Mas não penseis que vos esqueci. Tenho-vos a todos presentes no meu dia-a-dia. E, logo que esta peste esteja estancada, visitar-vos-ei.

Aproxima-se a SEMANA SANTA. Pela primeira vez em 30 anos, celebrarei o Tríduo Pascal sem a presença física dos meus paroquianos. Peço-vos que nesses dias estejais unidos a mim. Também, pela primeira vez, não se realizará o tradicional Compasso. Será uma Páscoa diferente!

Quando um navio está a naufragar, o comandante é o último a abandonar a embarcação. Nesta hora difícil que o mundo está a viver, eu, o comandante, cá estou. As igrejas estão vazias. As ruas, desertas. Não escutamos as risadas das nossas crianças nas ruas. A catequese está suspensa. Mas o comandante está presente, nos locais e horas habituais. Sozinho, tantas vezes!… Mas lá está… O comandante será sempre o último a abandonar o navio!

Esperando voltar a ser totalmente livre e a visitar os meus doentes como sempre o fiz, despeço-me de vós e desejo-vos uma santa Páscoa da ressurreição do Senhor. E não vos esqueçais disto: o comandante é o último a abandonar o navio em naufrágio! O vosso comandante está convosco e lembra-se diariamente de vós!

Uma santa Páscoa para todos vós.

Alvarelhos/Covelas /Guidões
29 de Março de 2020
O vosso comandante
Pe. José da Rocha Ramos